A monitoria no processo de ensino e aprendizagem
PDF/A
HTML
XML

Palavras-chave

Palavras-chave: monitoria; ensino; aprendizagem; metodologias ativas; UFMA.

Como Citar

FREITAS, G. A monitoria no processo de ensino e aprendizagem: relato de experiência no Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Maranhão. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 9, n. número especial, p. 1–16, 2022. DOI: 10.24208/rebecin.v9.335. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/335. Acesso em: 30 set. 2022.

Resumo

Ações do Projeto de Ensino de Monitoria no Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Maranhão, por meio de metodologias ativas. Objetiva possibilitar aos discentes conhecimentos teórico-práticos no processo de monitoria e incentivar o seu desenvolvimento nas atividades acadêmicas, como insumo de qualidade no processo de ensino e aprendizagem, por meio da vivência da prática pedagógica e a valorização das relações interpessoais. As metodologias desenvolvidas pelos monitores, professores e coordenadoria se entrelaçaram ao Projeto Pedagógico do Curso de Biblioteconomia em relação às disciplinas ofertadas a diversos cursos da UFMA e as de natureza profissional. Destaca as produções dos monitores nos componentes curriculares: participação em reuniões de planejamento; levantamento bibliográfico em fontes de informação; auxílio na orientação à pesquisa bibliográfica;   seleção de vídeos, filmes e podcasts; organização de webinários; leitura, fichamento e participação na discussão dos textos recomendados; acompanhamento aos alunos nas atividades práticas propostas nas disciplinas; participação nas discussões on-line no chat,  divulgação da agenda de atividades e postagem de material nos grupos de WhatsApp; auxílio na elaboração de questões para avaliação; participação no planejamento e execução das ações da Revista Bibliomar, Semana de Monteiro Lobato, Natal com Leitura e Semana Acadêmica. Os resultados foram relatados pelos alunos e professores, no decorrer das reuniões de planejamento e avaliação e nos relatórios, ao comentarem que a experiência de monitoria superou suas expectativas, sobretudo devido aos impactos do ensino remoto que exigiram criatividade, empatia e estratégias de interação, ressignificando o processo de ensino e aprendizagem em tempos de pandemia, proveniente do Sars-CoV-2.

 

https://doi.org/10.24208/rebecin.v9.335
PDF/A
HTML
XML

Referências

ARAÚJO, J. C. S. Fundamentos da metodologia de ensino ativa (1890-1931). In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 37., 2015, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: UFSC, 2015. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/trabalho-gt02-4216.pdf. Acesso em: 17 out. 2019.

BERGMAN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC, 2016.

BRASIL. Lei nº. 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5540.htm. Acesso em: 1 nov. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm#art92. Acesso em: 1 nov. 2019.

DURAND, T. L’alchimie de la compétence. Revue Française de Gestion, Paris, n. 127, p. 84-102, jan./fév. 2000.

FLAVELL, J. H. Metacognitive aspects of problem solving. In: RESNIK, L. B. (ed.). The nature of intelligence. Hillsdale: Lawrence Erlbaum, 1976. p. 231-236.

FREIRE, P. Política e educação. São Paulo: Cortez, 1993.

LIBÂNEO, J. C. Didática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

MARX, K. Terceiro manuscrito. In: MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos e outros textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MATTAR, J. Metodologias ativas para educação presencial, blended e a distância. São Paulo: Artesanato Educacional, 2017.

PACHECO, J. A. Estudos curriculares: desafios teóricos e metodológicos. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 21, n. 80, p. 449-472, jul./set. 2013. Disponível em: www.scielo.br/pdf/ensaio/v21n80/a04v21n80.pdf. Acesso em: 17 out. 2019.

PEIXOTO, A. G. O uso de metodologias ativas como ferramenta de potencialização da aprendizagem de diagramas de caso de uso. Outras Palavras, Brasília, DF, v. 12, n. 2, p. 35-50, 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. Edital nº 280/2019 – Proen. Regulamenta o processo seletivo de projetos de ensino de monitoria e as orientações gerais para organização dos processos seletivos de monitores no âmbito da UFMA, para 2020/1º. São Luís: UFMA, 16 de outubro de 2019. Disponível em: https://portais.ufma.br/PortalUfma/paginas/editais/edital.jsf?id=14364. Acesso em: 17 out. 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. Resolução nº 1875 – Consepe, de 6 de junho de 2019. Institui as normas regulamentares do programa de monitoria da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). São Luís: UFMA, 6 de junho de 2019. Disponível em: http://www.ufma.br/portalUFMA/arquivo/xL7eXa9CMoJ8iH3.pdf. Acesso em: 17 out. 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. Pró-Reitoria de Ensino. Diretoria de Desenvolvimento de Ensino de Graduação. Roteiro para elaboração de projeto de ensino de monitoria (PEM). Disponível em: http://www.ufma.br/portalUFMA/arquivo/MuJHhsfo1vltTAN.pdf. Acesso em: 20 jan. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. Coordenação de Biblioteconomia. Projeto Político Pedagógico. São Luís: Coordenação de Biblioteconomia, 2007.

VEIGA-NETO, A. Currículo e interdisciplinaridade. In: MOREIRA, A. F. B. (org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1997.

ZARIFIAN, P. O modelo da competência. São Paulo: Senac, 2003.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Georgete Freitas