Os Clássicos nas bibliotecas públicas de Porto Alegre, Rio Grande do Sul
PDF
HTML
XML

Palavras-chave

Clássicos da literatura; Cânone ocidental; Bibliotecas públicas; Ação cultural.

Como Citar

Bernardes Zimmermann, W., & Bonotto, M. (2021). Os Clássicos nas bibliotecas públicas de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira De Educação Em Ciência Da Informação, 8. https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.242

Resumo

Estudo de caso que examina o tratamento que os clássicos da literatura recebem nas bibliotecas públicas de Porto Alegre. Propõe definições de clássicos com base na teoria literária. Conceitua a biblioteca pública como instituição que deve prover gratuitamente cultura, educação, lazer e informação para a população. Relaciona o conceito de clássico com essas funções e afirma a necessidade de divulgação especial do cânone ocidental nessas instituições. Pesquisa a divulgação que os clássicos recebem nas bibliotecas públicas em Porto Alegre, por meio de entrevistas estruturadas com os bibliotecários-chefes e observações sistemáticas, individuais e não participantes dos espaços físicos e ambientes virtuais das unidades. Conclui que a divulgação da alta literatura pelas bibliotecas é muito limitada, devido a uma série de fatores, destacando-se a falta de investimentos do poder público por parte do Governo do Estado e a carência de conhecimento dos clássicos e do seu potencial junto ao público por parte dos responsáveis pelas unidades.

https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.242
PDF
HTML
XML

Referências

ADLER, Mortimer; VAN DOREN, Charles. Como ler livros: o guia clássico do leitor inteligente. São Paulo: É Realizações, 2011.

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Bibliotecas públicas e bibliotecas alternativas. Londrina: UEL, 1997

BARTHES, Roland. O prazer do texto. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

BLOOM, Harold. O cânone ocidental. 3. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

______. Como e por que ler. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

______. Gênio: os 100 autores mais criativos da história da literatura. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

CALVINO, Ítalo. Por que ler os clássicos? São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

D’ONOFRIO, Salvatore. Literatura ocidental: autores e obras fundamentais. 2. ed. São Paulo: Ática, 2002.

ECO, Umberto. Sobre a literatura. Rio de Janeiro: Record, 2003.

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL. Biblioteca pública: princípios e diretrizes. Rio de Janeiro, 2000.

INTERNATIONAL FEDERATION OF LIBRARY ASSOCIATIONS AND INSTITUTIONS; UNESCO. Manifesto da IFLA/UNESCO sobre bibliotecas públicas. 1994. Disponível em: http://archive.ifla.org/VII/s8/unesco/port.htm. Acesso em: 6 abr. 2015

MACHADO, Ana Maria. Como e por que ler os clássicos universais desde cedo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

SAINTE-BEUVE, Charles Augustin. What is a classic? 2001. Disponível em: http://www.bartleby.com/32/202.html. Acesso em: 11 mar. 2015.

SCHWARTZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. 5. ed. São Paulo: Editora 34, 2012.

STUMPF, Ida Regina Chittó. Estudo de comunidades visando à criação de bibliotecas. Revista de Biblioteconomia e Comunicação, Porto Alegre, v. 3, p. 17-24, jan./dez. 1988.

SUAIDEN, Emir. Biblioteca pública e informação à comunidade. São Paulo: Global, 1995.

TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. 3. ed. Rio de Janeiro: Difel, 2010.

A ABECIN detém os direitos autorais dos trabalhos que publica, adotando as licenças do Creative Commons, exceto quando houver indicação específica de outros detentores de direitos autorais. Em caso de dúvidas, solicitamos consultar o Editor da REBECIN. Por meio dessa licença, o(s) autor(es) tem/têm a liberdade de compartilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra, sob as seguintes condições:

a) atribuição — você deve creditar a obra da forma especificada pelo(s) autor(es) ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

b) uso não-comercial — você não pode usar esta obra para fins comerciais.

c) vedada à criação de obras derivadas — você não pode alterar, transformar ou criar em cima desta obra.

Evidencia-se que:

a) renúncia — qualquer das condições acima pode ser renunciada se obtiver permissão do titular dos direitos autorais.

b) domínio público — onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.

c) outros direitos — os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:

- Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;

- Os direitos morais do(s) autor(es);

- Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.

O(s) autor(es) submeteu(ram) a declaração de responsabilidade e transferência de direito autoral à REBECIN. Para tanto, faça o download do modelo da declaração acessando a URL: https://portal.abecin.org.br/rebecin/

Obs.: Após ler e assinar envie o arquivo digitalizado junto com a submissão.