Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho

contribuições ao Ensino sobre Patrimônio no Estado do Ceará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24208/rebecin.v10.363

Palavras-chave:

Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho (EAOTPS), Formação profissional, Ensino sobre patrimônio, Artes e ofícios, Patrimônio cultural

Resumo

Toma a Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho (EAOTPS) como tema de investigação com o objetivo de abordar aspectos relacionados à memória e à ação pedagógica da instituição. Dirige o olhar para as disciplinas ofertadas voltadas à compreensão do patrimônio e que envolvem a temática da conservação e restauração, tratando também sobre valorização e permanência dos saberes em artes e ofícios. De cunho exploratório, tem como delineamento metodológico a pesquisa bibliográfica e documental, a partir da qual aborda aspectos históricos sobre a institucionalização da preservação do patrimônio no Brasil com a criação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e apresenta fatos relacionados à memória da EAOTPS, com informações históricas sobre sua concepção pelo Governo do Estado do Ceará. Na análise dos dados, discute a formação fornecida voltada à educação patrimonial, à valorização de ofícios tradicionais e à capacitação profissional oferecida nos três eixos de atuação da instituição: conservação e restauro de bens culturais, técnicas de gravura, e, artesanato. Examina o Projeto Pedagógico Institucional (PPI) e identifica as diretrizes adotadas nas ações de ensino dirigidas à área do patrimônio. Conclui assinalando a contribuição da Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho à valorização do patrimônio no Ceará como equipamento de referência à formação de profissionais em conservação, restauro e demais áreas das artes e ofícios no estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Dantas, Museu da Imagem e do Som do Ceará (MIS)

Bacharelado em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Possui formação básica em Conservação, Restauração e Organização de Bens Móveis e Integrados  pela Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho (EAOTPS). Tem experiência em conservação de acervos fotográficos e audiovisuais. Atua como Analista de Preservação, Conservação e Digitalização no Museu da Imagem e do Som do Ceará (MIS).

Jefferson Veras Nunes, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal do Ceará (PPGCI-UFC)

Professor do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal do Ceará (UFC). Doutor em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP).

Referências

BACELAR, A.; PEREIRA, J.; PONTUAL, V. Patrimônio, Planejamento urbano e Turismo cultural: os Encontros de Governadores de Brasília e Salvador. Revista Jatobá, Goiânia, v. 2, 2020. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revjat/article/view/65424. Acesso em: 30 dez. 2022.

BEZERRA, F. M. A. A. Jacarecanga: patrimônio e memória da cidade de Fortaleza. 2007. 234f. Tese (Doutorado em Educação Brasileira) – Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007.

BRASIL. [Constituição (1934)]. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (de 16 de julho de 1934). Rio de Janeiro, RJ: Presidência da República, [1934]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm. Acesso em: 20 nov. 2022.

BRASIL. [Constituição (1937)]. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, de 10 de novembro de 1937). Rio de Janeiro, RJ: Presidência da República, [1937]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao37.htm. Acesso em: 20 nov. 2022.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, [2021]. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf. Acesso em: 22 mai. 2021.

BRASIL. Decreto-lei nº 25, de 30 de novembro de 1937. Organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional. Rio de Janeiro, 1937.

BRASIL. Lei nº. 378, de 13 de janeiro de 1937. Dá nova organização ao Ministério da Educação e Saúde Pública. Rio de Janeiro/Capital Federal, 1937.

CARRAPATO, J. A. L. Educação formal, não formal e informal: três conceitos vizinhos. Cidade Évora Educadora, Évora, ano 1, v. 7, p. 1-4, set. 2012.

CHUVA, M. R. R. Por uma história da noção de patrimônio cultural no Brasil. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília: n. 34, p. 147-165, 2012.

CONRADO, D. M.; NUNES, J. V. Preservação cultural de Fortaleza-CE: uma análise sobre educação patrimonial. Revista Brasileira De Biblioteconomia E Documentação, v. 18, n. 2, p. 1-19, 2022.

DIAS, D. F. et al. A educação nos espaços formais, não formais e informais no processo de ensino-aprendizagem. Intercursos Revista Científica, v. 16, n. 1, 2019.

ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS THOMAZ POMPEU SOBRINHO. Projeto Pedagógico Institucional. Fortaleza: 2019.

FREITAS, E. P. A gestão pública não estatal na cultura: uma questão de gestão ou de política cultural? In: ENECULT - ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 5., 2019, Salvador. Anais eletrônicos [...] Salvador: Faculdade de Comunicação-UFBA, 2019. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/enecult2009/19248.pdf. Acesso em: 3 dez. 2022.

GRANATO, M.; RIBEIRO, E. S.; ARAÚJO, B. M. Cartas Patrimoniais e a Preservação do Patrimônio Cultural de Ciência e Tecnologia. Informação & Informação, v. 23, n. 3, p. 202–229, 2018.

GONÇALVES, J. R. O patrimônio como categoria de pensamento. In: ABREU, R.; CHAGAS, M. (orgs.). Memória e patrimônio. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

IPHAN. Compromisso de Brasília. IPHAN, 1970. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Compromisso%20de%20Brasilia%201970.pdf. Acesso em: 10 dez. 2022.

IPHAN. Plano de Integridade do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional [versão 1]. Brasília: IPHAN, p. 12, 2020. Disponível em: https://repositorio.cgu.gov.br/handle/1/65326. Acesso em: 10 dez. 2022.

IPHAN. Proteção e Revitalização do Patrimônio Cultural no Brasil: uma trajetória. Publicações da Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. n. 31. Brasília: MEC; SPHAN; Fundação Nacional Pró-Memória, 1980.

KÜHL, B. M. Notas sobre a Carta de Veneza. Anais Do Museu Paulista: História e Cultura Material, Museu Paulista, v. 18. n. 2, p. 287-320, 2010.

LEMOS, C. A. C. O que é patrimônio histórico?. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo, SP: Atlas, 2003.

NAZARENO, G. Verso e reverso do perfil urbano de Fortaleza. São Paulo: Annablume, 2003.

OLIVEIRA, D. S. A consonância entre educação, cultura e patrimônio: um estudo das ações educacionais e pedagógicas da Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho. 2019. 149f. Tese (Doutorado em Educação Brasileira) – Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2019.

RANGEL, M. F. Museologia e patrimônio: encontros e desencontros. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, v. 7, n. 1, p. 103-112, 2012.

SIMIS, A. A política cultural como política pública. In: RUBIM, A.; BARBALHO, A. (org.). Políticas Culturais Públicas no Brasil. Salvador: EDUFBA, 2007. p. 133-156.

TAVARES, F. M. Metodologia de diagnóstico para restauro de edifícios dos séculos XVII e XIX nas primeiras zonas de mineração em Minas Gerais. 2011. 93f. Dissertação (Mestrado em Ambiente Construído) - Faculdade de Engenharia da Universidade Federal de Juiz de Fora, João de Fora, Minas Gerais, 2011.

UNESCO. Convenção do património mundial, a protecção do património mundial cultural e natural, UNESCO: Paris, 1972.

VIEIRA, A.; MARTINS, L. Jacarecanga, histórias e memórias de uma bela época. Fortaleza: SECULT, 2019.

Publicado

31-12-2023

Como Citar

MENDES, L. G. D. de L. .; NUNES, J. V. Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho: contribuições ao Ensino sobre Patrimônio no Estado do Ceará. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 10, p. 01–30, 2023. DOI: 10.24208/rebecin.v10.363. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/363. Acesso em: 22 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa