Estratégia de aprendizagem colaborativa com salas simultâneas no google meet
PDF/A
HTML
XML

Palavras-chave

Estratégia de Aprendizagem. Aprendizagem Colaborativa. Google Meet.

Como Citar

SOARES ROCHA DA SILVA, A.; ARAÚJO BEZERRA, F.; PINHEIRO DA NÓBREGA, P.; BARBOSA DE OLIVEIRA, F. E. .; MAGALHÃES RODRIGUES, D. .; FARIAS BARROS, M. C. .; MOURA OLIVEIRA, A. . Estratégia de aprendizagem colaborativa com salas simultâneas no google meet. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 9, n. número especial, p. 1–15, 2022. DOI: 10.24208/rebecin.v9.306. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/306. Acesso em: 14 ago. 2022.

Resumo

As Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) foram as principais ferramentas utilizadas durante a Pandemia nas estratégias de ensino remotas, diante da impossibilidade de aulas presenciais. Nesse contexto de isolamento social, as ferramentas Google, tais como Google Meet, Google Forms, entre outras, foram muito utilizadas. O presente trabalho consiste no relato da experiência vivenciada pelos cinco autores, os quais, de forma colaborativa e remota, planejaram e produziram uma oficina on-line, a qual foi ministrada por eles em um evento internacional da área da Ciência da Informação. A oficina teve como objetivo capacitar os participantes para a produção colaborativa de recursos didáticos em formato digital. Para tanto, após uma explanação inicial, os participantes foram divididos em grupos por meio das breakout rooms do Google Meet, sendo cada uma das salas moderada por um facilitador diferente. Cada grupo aprendeu a utilizar uma ferramenta diversa (Canva, PowerPoint on-line, Google Forms e Google Sites), e ao final apresentou o recurso por eles desenvolvido. A experiência foi considerada exitosa tanto pelos participantes quanto pelos facilitadores. A estratégia de facilitação com uso de metodologia ativa e construcionista foi viabilizada pelas breakout rooms do Google Meet, permitindo que várias ferramentas fossem exploradas simultaneamente pelos grupos participantes da oficina. Entretanto, os participantes lamentaram o pouco tempo disponível para experienciar as ferramentas utilizadas pelos outros grupos.

https://doi.org/10.24208/rebecin.v9.306
PDF/A
HTML
XML

Referências

BERGMANN, Jonathann; SAMS, Aaron. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Tradução Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: LTC, 2018. Tradução de Flip your classroom: reach every student in every class every day.

CANÊDO, Karina; CANADO, Valdir. Guia facilitação remota: como criar uma jornada de facilitação que faça sentido em espaços virtuais? [S.l.]: Escola Nacional de Administração Pública, 2020.

ELMÔR FILHO, Gabriel et al. Uma nova sala de aula é possível: aprendizagem ativa na educação: Rio de Janeiro: LTC, 2019.

NÓBREGA, Paula Pinheiro da; DAVID, Priscila Barros; SILVA, Andrea Soares Rocha da. Sala de aula invertida e fatores intervenientes da aprendizagem: experiência em uma instituição federal de ensino superior com uma turma de alunos de graduação. Revista Paidéi@, v. 10, n 18, p. 1-30, jul. 2018. Disponível em:
https://periodicos.unimesvirtual.com.br/index.php/paideia/article/view/853/838. Acesso em: 14 dez. 2021.

ROSARIO, Cintya Lopes do. Sala-ambiente: espaço de interação e práticas pedagógicas inovadoras. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 11., 2012, [S.l.]. Anais [...]. [S.l.: s.n.], 2014.

TORRES, Patrícia Lupion; IRALAS, Esrom Adriano F. Aprendizagem colaborativa: teoria e prática. In: SARTORI, Ademilde et al. Ciência, inovação e ética: tecendo redes e conexões para a produção do conhecimento. Curitiba: SENAR, 2014. 412 p. p. 91-126.
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Andréa Soares Rocha da Silva, Fábio Araújo Bezerra, Paula Pinheiro da Nóbrega, Francisco Elísio Barbosa de Oliveira, Danielle Magalhães Rodrigues, Marilia Clara Farias Barros, Adara Moura Oliveira