Bibliotecas especiais

Palavras-chave

Bibliotecas especiais
Consumo de informação em Saúde
Serviços especiais para pacientes

Como Citar

Silveira, S., & Paulino, E. (2021). Bibliotecas especiais: informar, acolher e humanizar. Revista Brasileira De Educação Em Ciência Da Informação, 8. https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.245

Resumo

Infelizmente, pacientes e cuidadores frequentemente contam apenas com a informação que lhes é dada diretamente de seus prestadores de serviços em saúde. Este grupo de pacientes, familiares, amigos e cuidadores podem ser classificados como consumidores de informação em saúde. A relação entre paciente e médico é historicamente vinculada a um sentimento de confiança, contudo, por questões sociais e políticas, esta relação de confiança tem sido diluída, e o paciente, devido à falta de informações, irá buscá-las em fontes nem sempre fidedignas ou claras, o que pode afetar o estado emocional do paciente de forma negativa e causar estresse. A informação é um elemento que garante direitos e dignidade a todo cidadão, portanto, uma unidade de informação em ambiente hospitalar com foco em consumidores de informação em saúde faz-se importante: ao passo que humaniza o tratamento, proporciona alívio da tensão emocional e educa esses consumidores de informação quanto à prevenção de eventuais enfermidades. Deve-se compreender que não é necessário estar doente para buscar informação em saúde. Todo cidadão é um potencial consumidor de informação em saúde, à medida que se busca bem-estar e qualidade de vida. Pretende-se, neste trabalho, contextualizar o consumo de informação em saúde, apresentar a importância e os benefícios proporcionados pelo acesso à informação clara e segura.

https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.245

Referências

ASHTON, K.; OERMANN, M. H. Patient education in home care. Home healthcare nurse, Hagerstown, v. 32, n. 5, p. 288-294, May 2014.

AZEVEDO, A. W. Formação e competência informacional do bibliotecário-médico brasileiro. 2009. 106f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2009.

BENEDUZI, A. C. Bibliotecas Especiais: a biblioteca hospitalar como um repositório de saúde e bem-estar ao alcance do paciente. 2004. 70f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Curso de Biblioteconomia Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegra, 2004.

BOEGER, M. A. Gestão em hotelaria hospitalar. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 101 p.

CHOBOT, M. C. The challenge of providing consumer health information services in public libraries. Washington, DC: AAAS, 2010.

DE MARCO, M. A. Psicologia médica: abordagem integral do processo saúde-doença. Porto Alegre: Artmed, 2012.

GALVÃO, M. C. B. Informação clínica: do prontuário do paciente às bases de evidências. 23 ago. 2012. In: ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Infohome. Londrina: OFAJ, 2012. Disponível em: http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod701. Acesso em: 28 maio 2014.

HENN, G. Apostila de auxiliar de biblioteca: livro post. 2011. Disponível em: http://biblioteconomiaparaconcursos.com/2011/12/23/auxiliar-de-biblioteca-livro-post/. Acesso em: 05 maio 2014.

ISMAEL, J. C. O médico e o paciente: breve história de uma relação delicada. São Paulo: T. A. Queiroz, 2002.

PLAIN LANGUAGE ACTION AND INFORMATION NETWORK. Plain language: improving communication from the Federal Government to the public. 2011. Disponível em: http://www.plainlanguage.gov/index.cfm. Acesso em: 25 out. 2014.

SIQUEIRA, E. O paciente informado e seu novo papel. Disponível em: http://blogs.estadao.com.br/ethevaldo-siqueira/2010/09/04/o-paciente-informado-e-seu-novo-papel/. Acesso em: 08 maio 2014.

SMITH, C. A. Consumer health information. In: WOOD, M. S. Introduction to health sciences librarianship. New York: Haworth Press, 2008. p. 429-458.

VIEGAS, D. Humanização hospitalar. In: VIEGAS, D. Brinquedoteca hospitalar: isto é humanização. Rio de Janeiro: Wak Ed, 2007. p. 47-52.

WURMAN, R. S. Ansiedade de informação 2: um guia para quem comunica e dá instruções. São Paulo: Cultura, 2005. 299 p.

A ABECIN detém os direitos autorais dos trabalhos que publica, adotando as licenças do Creative Commons, exceto quando houver indicação específica de outros detentores de direitos autorais. Em caso de dúvidas, solicitamos consultar o Editor da REBECIN. Por meio dessa licença, o(s) autor(es) tem/têm a liberdade de compartilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra, sob as seguintes condições:

a) atribuição — você deve creditar a obra da forma especificada pelo(s) autor(es) ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

b) uso não-comercial — você não pode usar esta obra para fins comerciais.

c) vedada à criação de obras derivadas — você não pode alterar, transformar ou criar em cima desta obra.

Evidencia-se que:

a) renúncia — qualquer das condições acima pode ser renunciada se obtiver permissão do titular dos direitos autorais.

b) domínio público — onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.

c) outros direitos — os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:

- Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;

- Os direitos morais do(s) autor(es);

- Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.

O(s) autor(es) submeteu(ram) a declaração de responsabilidade e transferência de direito autoral à REBECIN. Para tanto, faça o download do modelo da declaração acessando a URL: https://portal.abecin.org.br/rebecin/

Obs.: Após ler e assinar envie o arquivo digitalizado junto com a submissão.