Contribuições de empresas juniores para o ensino universitário
PDF

Palavras-chave

Empreendedorismo Universitário
Empresa Júnior
Ensino Universitário
Atuação Profissional
Universidade.

Como Citar

VALE, M. A. do; CÂNDIDO, A. C.; ANDRADE, A. R. de. Contribuições de empresas juniores para o ensino universitário. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 4, n. 2, p. 58–76, 2018. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/96. Acesso em: 27 set. 2022.

Resumo

As empresas juniores são associações civis sem fins lucrativos geridas exclusivamente por estudantes de graduação, com a supervisão de professores. Em alguns casos, profissionais externos à Instituição de Ensino Superior orientam a atuação profissional dos empresários juniores, tendo em vista seus conhecimentos técnicos e suas experiências de mercado. O presente estudo caracteriza-se como descritivo e qualitativo, visto que buscou conhecer e analisar as experiências de empresas juniores nas respectivas universidades nas quais estão sediadas. Dessa maneira, é possível aprofundar a investigação e explorar as vivências dos empresários juniores, o que é propício ao objetivo do estudo, tendo em vista que se deseja conhecer como as empresas juniores podem contribuir para o ensino universitário. A empresa júnior prepara os estudantes para serem profissionais mais capacitados, contribui para a implantação de melhorias e para a adoção de práticas mais efetivas no ambiente organizacional, em conformidade com as demandas do mercado atual, e coopera para o desenvolvimento da economia. As constatações observadas nos casos abordados enfatizam o foco de contribuição das empresas juniores no âmbito do ensino, em que ações desta natureza promovem resultados positivos para todo o meio circundante.

PDF

Referências

ANDRADE, Antônio R. O curso de Administração, a empresa júnior e a formação de consultores de organização. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 6., 2009, Resende. Anais Eletrônico... Resende: AEDB, 2009. Disponível em: <http://let.aedb.br/seget/artigos09/474_474_474_474_EPFantonioandrade.pdf>. Acesso em: 5 maio 2017.

BRASIL. Lei nº 13.267, de 6 de abril de 2016. Disciplina a criação e a organização das associações denominadas empresas juniores, com funcionamento perante instituições de ensino superior. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 7 abr. 2016. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/L13267.htm>. Acesso em: 5 maio 2017.

BRASIL JÚNIOR. Censo e Identidade - Relatório 2016. 2017. Disponível em: <http://brasiljunior.rds.land/censo-identidade-relatorio-2016>. Acesso em: 30 maio 2017.

ENEJ – ENCONTRO NACIONAL DE EMPRESAS JUNIORES. 2017. Movimento Empresa Júnior, te convidamos a voltar para casa. Disponível em: <http://enej.com.br/>. Acesso em: 13 mai. 2017.

JADE – EUROPEAN CONFEDERATION OF JUNIOR ENTERPRISES. The Junior Enterprise Concept. Evere, 2017. Disponível em: <http://www.jadenet.org/>. Acesso em: 6 mai. 2017.

JADE PORTUGAL – EUROPEAN CONFEDERATION OF JUNIOR ENTERPRISES. JADE e Movimento Júnior. Porto, 2016. Disponível em: <http://jadeportugal.com/sobre/jade-e-movimento-junior/>. Acesso em: 6 maio 2017.

GIL, Antônio C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4.ed. São Paulo: Atlas, 1994.

MATOS, Franco de. A empresa júnior no Brasil e no mundo: o conceito, o funcionamento, a história e as tendências do movimento EJ. São Paulo: Martin Claret, 1997.

OLIVEIRA, Edson M. Trabalhando como consultor júnior: como ser consultor com pouca experiência. Franca: Ribeirão, 2003.

RH JR – RH CONSULTORIA JÚNIOR - UFMG. Consultoria em Recursos Humanos. Belo Horizonte, 2017. Disponível em: <http://rhjr.com.br>. Acesso em: 15 maio 2017.

SANGALETTI, Cristhini; CARVALHO, Gustavo. Introdução ao Movimento Empresa Júnior. In.: MORETTO NETO, Luís et al. (Orgs.). Empresa júnior: espaço de aprendizagem. Florianópolis: [s.c.p.], 2004. p.17-27.

SLEUTJES, Maria H. S. C. Refletindo sobre os três pilares de sustentação das universidades: ensino-pesquisa-extensão. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.33, n.3, p.99-111. 1999. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/7639/6177>. Acesso em 15 maio 2017.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5.ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

A ABECIN detém os direitos autorais dos trabalhos que publica, adotando as licenças do Creative Commons, exceto quando houver indicação específica de outros detentores de direitos autorais. Em caso de dúvidas, solicitamos consultar o Editor da REBECIN. Por meio dessa licença, o(s) autor(es) tem/têm a liberdade de compartilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra, sob as seguintes condições:

a) atribuição — você deve creditar a obra da forma especificada pelo(s) autor(es) ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

b) uso não-comercial — você não pode usar esta obra para fins comerciais.

c) vedada à criação de obras derivadas — você não pode alterar, transformar ou criar em cima desta obra.

Evidencia-se que:

a) renúncia — qualquer das condições acima pode ser renunciada se obtiver permissão do titular dos direitos autorais.

b) domínio público — onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.

c) outros direitos — os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:

- Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;

- Os direitos morais do(s) autor(es);

- Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.

O(s) autor(es) submeteu(ram) a declaração de responsabilidade e transferência de direito autoral à REBECIN. Para tanto, faça o download do modelo da declaração acessando a URL: https://portal.abecin.org.br/rebecin/

Obs.: Após ler e assinar envie o arquivo digitalizado junto com a submissão.