A prática da catalogação na Biblioteca do Instituto dos Advogados Brasileiros
PDF

Palavras-chave

Catálogo
Catalogação
História
Memória
Representação Documentária.

Como Citar

ROCHA, G. P. da; SILVEIRA, N. C. A prática da catalogação na Biblioteca do Instituto dos Advogados Brasileiros. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 3, n. 1, p. 63–80, 2016. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/39. Acesso em: 28 jun. 2022.

Resumo

O Século XIX marca profundamente a história da Biblioteconomia no Brasil, foi neste período que a Família Real Portuguesa chegou ao Brasil trazendo sua Biblioteca, que se tornou, posteriormente, a Biblioteca Nacional do Brasil, uma das maiores bibliotecas do mundo. Este trabalho tem como objetivo analisar como a representação da informação se desenvolveu, com base na prática da catalogação em bibliotecas brasileiras. Para isso, investiga-se a trajetória da representação da informação em uma biblioteca criada no Século XIX, a saber, a Biblioteca do Instituto dos Advogados Brasileiros, denominada a partir de 2014 como Biblioteca Daniel Aarão Reis, que se encontra em funcionamento até os dias de hoje. Trata-se de um estudo de caso, pois se analisa o caso específico de uma biblioteca, utiliza a pesquisa documental para identificar elementos presentes nos catálogos analisados e, também, a entrevista estruturada para coleta de dados. Conclui-se que a Biblioteca do Instituto dos Advogados Brasileiros, fundada em 1895, teve três momentos expressivos em sua trajetória: primeiro momento, a organização do acervo; segundo momento, a automação; e o último e atual momento, a busca por interoperabilidade. Esses três momentos vivenciados na prática da catalogação nesta Biblioteca reflete o desenvolvimento da catalogação em âmbito teórico e tecnológico, em um primeiro momento a catalogação era isolada, dependendo de diretrizes locais, e atualmente se busca a utilização de sistemas informatizados, parâmetros internacionais e a interoperabilidade entre sistemas.

PDF

Referências

ALMEIDA, E. de S. e. Em breves linhas: [História do IAB]. [S.l.: s.n.], [20--?]. Disponível em: <http://www.iabnacional.org.br/rubrique.php3?id_rubrique=2>. Acesso em: 5 set. 2015.

BESSONE, T. M. Palácios de destinos cruzados: bibliotecas, homens e livros no Rio de Janeiro, 1870-1920. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1999.

FERREIRA, T. M. T. B. da C. As bibliotecas públicas cariocas no século XIX. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE COMUNICAÇÃO, 24., 2001, Campo Grande, MS. Anais... [Campo Grande, MS]: INTERCOM, 2001.

FIUZA, M. M. A catalogação bibliográfica até o advento das novas tecnologias. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v.16, n.1, p.43-53, set. 1987. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/reb/>. Acesso em: 21 out. 2016.

FONSECA, E. N. da. Introdução à Biblioteconomia. 2.ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2007.

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL. Pesquisa. Cadastro de Bibliotecas. Disponível em: <http://sistemas.conectait.com.br:8097/bn/acesso_externo/pesquisar_bibliotecas>. Acesso em: 16 set. 2013.

INSTITUTO DA ORDEM DOS ADVOGADOS BRASILEIROS. Catálogo da Biblioteca. Rio de Janeiro: Jornal do Commercio, 1943.

INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS. [Ata de criação da biblioteca]. Rio de Janeiro, 1895. Manuscrito.

________. Biblioteca. Acervo. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: <http://www.iabnacional.org.br/biblioteca/nosso-acervo>. Acesso em: 23 out. 2016.

________. Biblioteca. História. Rio de Janeiro, 2014a. Disponível em: <http://www.iabnacional.org.br/rubrique.php3?id_rubrique=27>. Acesso em: 24 jun. 2014.

________. Biblioteca. Projeto manual iab.docx. Rio de Janeiro, 2014b. Não publicado.

________. [Catálogo Acess]. Rio de Janeiro: IAB, [2000?].

________. [Catálogo Biblivre]. Rio de Janeiro: IAB, [2013].

________. [Catálogo manual]. Rio de Janeiro: IAB, [1970?].

JIMÉNEZ MIRANDA, J. Consideraciones teóricas y prácticas para la catalogación descriptiva en la Biblioteca Médica Nacional. ACIMED, La Habana, v.11, n.1, ene.-feb. 2003.

MARTINS, W. A Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. In: ________. A palavra escrita: história do livro da imprensa e da biblioteca. 3.ed. São Paulo: Ática, 2001. p.357-365.

MEY, E. S. A. Introdução à catalogação. Brasília: Briquet de Lemos, 1995.

MEY, E. S. A.; SILVEIRA, N. C. Catalogação no plural. Brasília: Briquet de Lemos, 2009.

SCHWARCZ, L. M. D. João VI e os livros no Brasil: o caso da Real Biblioteca. Revista Convergência Lusíada, Rio de Janeiro, n.24, p.67-98, 2007. Disponível em: <http://www.realgabinete.com.br/portalweb/portals/0/documentos/revista24.pdf>. Acesso em: 5 set. 2015.

SOUZA, T. B. de. O ensino de Representação Descritiva nos cursos da área de Ciência da Informação no Brasil e em Portugal: estudo comparativo. 2009. Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Ciências Documentais, Faculdade de Letras, Universidade do Porto, Portugal, 2009. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10216/20396>. Acesso em: 23 out. 2016.

TEIXEIRA, M. V. O RDA no controle de autoridades do sistema de bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE CATALOGADORES, 9., 2013; ENCONTRO NACIONAL DE CATALOGADORES, 2., 2013, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2013. Disponível em: <http://www.enacat.ufscar.br/index.php/eic-enacat/eic-enacat/schedConf/presenta+tions>. Acesso em: 18 ago. 2015.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4.ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

A ABECIN detém os direitos autorais dos trabalhos que publica, adotando as licenças do Creative Commons, exceto quando houver indicação específica de outros detentores de direitos autorais. Em caso de dúvidas, solicitamos consultar o Editor da REBECIN. Por meio dessa licença, o(s) autor(es) tem/têm a liberdade de compartilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra, sob as seguintes condições:

a) atribuição — você deve creditar a obra da forma especificada pelo(s) autor(es) ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

b) uso não-comercial — você não pode usar esta obra para fins comerciais.

c) vedada à criação de obras derivadas — você não pode alterar, transformar ou criar em cima desta obra.

Evidencia-se que:

a) renúncia — qualquer das condições acima pode ser renunciada se obtiver permissão do titular dos direitos autorais.

b) domínio público — onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.

c) outros direitos — os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:

- Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;

- Os direitos morais do(s) autor(es);

- Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.

O(s) autor(es) submeteu(ram) a declaração de responsabilidade e transferência de direito autoral à REBECIN. Para tanto, faça o download do modelo da declaração acessando a URL: https://portal.abecin.org.br/rebecin/

Obs.: Após ler e assinar envie o arquivo digitalizado junto com a submissão.