Movimentos antifeministas e desinformação
PDF/A
HTML
XML

Palavras-chave

Desinformação; Movimentos Sociais; Instagram; Feminismo; Antifeminismo.

Como Citar

SILVA, M.; GOMES, G. Movimentos antifeministas e desinformação: uma análise dos discursos promovidos no Instagram. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 9, n. número especial, p. 1–13, 2022. DOI: 10.24208/rebecin.v9.329. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/329. Acesso em: 14 ago. 2022.

Resumo

O novo contexto informacional evidenciado pela facilidade na disseminação de informação e uso exacerbado das redes sociais, como o instagram, gera indagações relacionadas à veracidade e confiabilidade dos dados repassados pelos usuários nessas plataformas. Deste modo, o termo desinformação vem sendo frequentemente debatido pelos estudiosos da ciência da informação, e gera um alerta para a propensão do surgimento de informações tendenciosas ou inverídicas nas mídias sociais. Seguindo nesse viés e partindo do pressuposto que o movimento feminista é a principal ferramenta na luta por respeito e igualdade de direitos entre gêneros, determina-se que a competência crítica em informação seja o principal recurso para a conscientização coletiva, reflexão e debate acerca deste tema na sociedade. Portanto, o objetivo desse estudo é buscar esclarecer como a desinformação pode ser propagada no Instagram de forma massiva por movimentos sociais de oposição, no caso desta pesquisa, o antifeminismo, que tem como intuito contradizer e escarnecer o movimento feminista. As publicações a serem analisadas serão extraídas de postagens realizadas na plataforma. Os métodos utilizados serão uma tríade da análise das redes sociais, levantamento bibliográfico e documental, caracterizando essa pesquisa como de natureza qualitativa. A importância de debater sobre as temáticas a serem tratadas nesta pesquisa relaciona-se à necessidade iminente de se construir uma sociedade igualitária a nível sociocultural e informacional.

https://doi.org/10.24208/rebecin.v9.329
PDF/A
HTML
XML

Referências

BELLUZZO, R. C. B.; SANTOS, C. A.; ALMEIDA JÚNIOR, O. F. A competência em informação e sua avaliação sob a ótica da mediação da informação: reflexões e aproximações teóricas. Informação & Informação, Londrina, v. 19, n. 2, p. 60-77, out. 2014. Disponível em: https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/19995. Acesso em: 09 nov. 2021.

BRISOLA, A.; BEZERRA, A. C. Desinformação e circulação de “fake news”: distinções, diagnóstico e reação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 10., 2018, Londrina. Anais [...]. Londrina: UEL, 2018. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/v/102819. Acesso em: 02 out. 2021.

BRITO, M. Fique longe do feminismo. 9 ago. 2021. São Paulo. Instagram: @marianabrito. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CSX0jv7LNhX/. Acesso em: 02 out. 2021.

CAMPAGNOLO, A. Movimento antifeminista não para de crescer no Brasil. 27 set. 2021. Santa Catarina. Instagram: @anacampagnolo. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CUVfS_KlYIh/. Acesso em: 02 out. 2021.

CONTRA O FEMINISMO. O feminismo te ensina a odiar. 25 maio 2021. Espírito Santo. Instagram: @contraofeminismo. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CPT43khtROx/. Acesso em: 02 out. 2021.

DE JESUS, C. C.; ALMEIDA, I. F. O movimento feminista e as redefinições da mulher na sociedade após a Segunda Guerra Mundial. Boletim historiar, n. 14, 2016. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/historiar/article/view/5439. Acesso em: 28 set. 2021.

FRANÇA, M. C. Vozes antifeministas nas redes sociais: uma análise de conteúdo. Programa de Iniciação Científica - PIC/UniCEUB, Brasília, v. 3, n. 1, jan./dez. 2017. Disponível em: https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/pic/article/view/5821. Acesso em: 02 out. 2021.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Editora Atlas SA, 2008.

HOOKS, B. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. 1. ed. Editora Rosa dos tempos, 2018.

LANGNER, A.; ZULIANI, C. S.; MENDONÇA, F. O Movimento Feminista e o Ativismo Digital: conquistas e expansão decorrentes do uso das plataformas online. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIREITO E CONTEMPORANEIDADE: MÍDIAS E DIREITOS NA SOCIEDADE EM REDE, 3., 2015, Santa Maria. Anais [...] Santa Maria: UFSM, 2015. p. 3-12. Disponível em: https://tinyurl.com/5e53m4e3. Acesso em: 03 out. 2021.

ROMEIRO, N. L. Vamos fazer um escândalo: a trajetória da desnaturalização da violência contra a mulher e a folksonomia como ativismo em oposição a violência sexual no Brasil. 2019. Disponível em: shorturl.at/gnGUX. Acesso em: 01 out. 2021.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Mayara Silva, Girlaine Pergentino