Estudo comparativo de terminologias da área jurídica em sistemas de classificação bibliográfica à luz do Código de Processo Civil brasileiro

Autores

  • Maria Giovane Fogaça Universidade Estadual de Londrina https://orcid.org/0000-0002-2683-9934
  • Brígida Maria Nogueira Cervantes Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.276

Palavras-chave:

Vocabulário especializado; Sistemas de organização e representação do conhecimento; Classificação Decimal Universal; Classificação Decimal de Direito; Código de Processo Civil., Specialized vocabulary; Organization Systems and knowledge representation; Decimal Universal Classification; Decimal Classification of Law; Civil Procedure Code.

Resumo

Analisa o vocabulário especializado para a representação do conhecimento no âmbito da área Jurídica como linguagem de busca, isso em razão de uma representação de conceitos por meio de termos, tendo em vista a obtenção de uma linguagem consistente e compatível com a demanda em áreas especializadas. Com foco na análise das terminologias da área jurídica presentes nos sistemas Classificação Decimal Universal (CDU) e Classificação Decimal de Direito e/ou Classificação da Doris (CDDir) à luz do Código de Processo Civil. Com relação à metodologia, caracterizou-se como uma pesquisa bibliográfica e documental, quanto aos seus objetivos, como descritiva e exploratória, com procedimento comparativo e, ainda, abordagem qualitativa. Assim, foram analisados os termos identificados no Código de Processo Civil, compreendidos na subárea dos Recursos. Baseando-se na análise dos resultados obtidos, foi possível destacar alguns aspectos, tais como: a temporalidade dos sistemas, a formação do conceito, a relação hierárquica, a relação de equivalência, e dessa maneira, atingindo o objetivo principal deste estudo. Conclui-se que os sistemas de classificação CDU e CDDir podem ser considerados compatíveis em relação ao Código de Processo Civil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Giovane Fogaça, Universidade Estadual de Londrina

Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Estadual de Londrina - UEL e em Processamento de Dados pela Universidade Norte do Paraná - UNOPAR, Londrina-PR.

Brígida Maria Nogueira Cervantes, Universidade Estadual de Londrina

Doutora e Mestre em Ciência da Informação pela Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP, Campus de Marília, SP. Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação.  Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina.

Referências

ANDRADA, José Bonifácio Borges. Prefácio. In: CARVALHO, Doris de Queiroz. Classificação decimal de direito. 4. ed. Brasília: Presidência da República, 2002. Disponível em: http://legislacao.planalto.gov.br/cddir/cddir.nsf. Acesso em: 18 jun. 2012.

BAPTISTA, Dulce Maria; ARAÚJO JÚNIOR, Rogério Henrique de; CARLAN, Eliana. O escopo da análise da informação. In: ROBREDO, Jaime; BRÄSCHER, Marisa (Org.). Passeios pelo bosque da informação: estudos sobre representação e organização da informação e do conhecimento. Brasília: IBICT, 2010. p. 62-79

BARITÉ, Mário. Organización del conocimiento: un nuevo marco teórico-conceptual en Bibliotecologia y Documentación. In: CARRARA, Kester (Org.). Educação, universidade e pesquisa. Marília: FAPESP, 2001. p. 35-60.

BARITÉ, Mário. Sistemas de organización del conocimiento: una tipología actualizada. Informação e Informação, Londrina, v. 16, n. esp., p. 122-139, jan./jun. 2011. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/9952/9286. Acesso em: 3 jun. 2012.

BOCCATO, Vera Regina Casari. Linguagem documentária na representação e recuperação da informação pela perspectiva sociocognitiva em ciência da informação. In: BOCCATO, Vera Regina Casari; GRACIOSO, Luciana de Souza (Org.). Estudos de linguagem em ciência da informação. Campinas: Alínea, 2011.

BRASIL. Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973. Institui o Código de Processo Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5869.htm. Acesso em: 23 jun.2011.

CARVALHO, Doris de Queiroz. Classificação decimal de direito. 4. ed. Brasília: Presidência da República, 2002.

CERVANTES, Brígida Maria Nogueira. Terminologia do processo de inteligência competitiva: estudo teórico e metodológico. Londrina: Eduel, 2006.

CINTRA, Anna Maria Marques; TÁLAMO, Maria de Fátima Gonçalves Moreira; LARA, Marilda Lopes Ginez de; KOBASHI, Nair Yumiko. Para entender as linguagens documentárias. 2. ed. São Paulo: Polis, 2002.

CUNHA, Murilo Bastos; CAVALCANTI, Cordélia Robalinho de Oliveira. Dicionário de biblioteconomia e arquivologia. Brasília: Briquet de Lemos, 2008.

FOGAÇA, Maria Giovane. Estudo comparativo de terminologias da área jurídica em sistemas de classificação bibliográfica à luz do Código de Processo Civil brasileiro: com ênfase na Classificação Decimal Universal e Classificação Decimal de Direito. 2012. 91f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Biblioteconomia) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2012.

FOGAÇA, Maria Giovane; CERVANTES, Brígida Maria Nogueira. Estudo de terminologias da área jurídica em sistemas de organização do conhecimento à luz do Código de Processo Civil brasileiro: com ênfase na Classificação Decimal Universal e Classificação Decimal de Direito. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO; SEMINÁRIO NACIONAL DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO JURÍDICA, 25., 4., 2013, Florianópolis. Anais [...], Florianópolis: FEBAB, 2013. p. 5320-5340.

GUIMARÃES, José Augusto Chaves; MARTINEZ, Marisa Luvizutti Coiado. Organização temática da doutrina jurídica: elementos metodológicos para uma proposta de extensão da Classificação Decimal de Direito. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 18, n. 1, p. 67-77, jan./abr. 2008. Disponível em: http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/1718/1639. Acesso em: 4 abr. 2011.

GUIMARÃES, José Augusto Chaves. Perspectivas de ensino e pesquisa em organização do conhecimento em cursos de biblioteconomia: uma reflexão. In: CARRARA, Kester (Org.). Educação, universidade e pesquisa. Marília: FAPESP, 2001. p. 29-34.

HJØRLAND, Birger. What is Knowledge Organization (KO)?. Knowledge Organization, Würzburg, v. 35, n. 2/3, p. 86-101, 2008.

PASSOS, Edilenice; BARROS, Lucivaldo Vasconcelos. Fontes de informação para pesquisa em Direito. Brasília: Briquet de Lemos, 2009.

SILVA, Andréia Gonçalves. Fontes de informação jurídica: conceitos e técnicas de leitura para o profissional da informação. Rio de Janeiro: Interciência, 2010.

SILVA, Erly Rosa da; MENDONÇA, Adriano David de; TAVARES, Daniel Moreira; SCARDIGNO, Daniela; SILVA, Fernando Marciano; OLIVEIRA, Geane Cristina de; LEITE JUNIOR, Geosman Franncisco; PINHEIRO, Ledijanes da Silva; PAULA, Taynan Cristina de; Terminologia como ciência fundamental à sociedade moderna. Revista Ícone, São Luiz de Montes Belos, v. 8, p. 114-122, jul. 2011.

UDC CONSORTIUM. Classificação decimal universal. 2. ed. Brasília: Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, 2007.

Publicado

07-11-2021

Como Citar

FOGAÇA, M. G.; NOGUEIRA CERVANTES, B. M. . Estudo comparativo de terminologias da área jurídica em sistemas de classificação bibliográfica à luz do Código de Processo Civil brasileiro. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Paulo, v. 8, 2021. DOI: 10.24208/rebecin.v8i.276. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/276. Acesso em: 12 jun. 2024.