Museus, turismo e o uso de ferramentas tecnológicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.271

Palavras-chave:

Cidade Inteligente, Economia Criativa, Patrimônio Cultural

Resumo

A compreensão da cidade e do patrimônio dentro de uma lógica própria que impulsione o turismo, tendo como fio condutor o uso de ferramentas tecnológicas a exemplos de QR Codes e aplicativos que permitam o livre acesso a informações e roteiros patrimoniais, impulsionou o desenvolvimento da presente pesquisa. Partiu-se da análise de conceitos como cidades inteligentes, cidades criativas e economia criativa e sua relação com Patrimônio Cultural e Turismo para entender o estudo de três experiências realizadas entre os anos de 2014 e 2018, em vários estados brasileiros, que tinham por objetivo analisar o uso de ferramentas de baixo custo desenvolvidas para o gerenciamento e comunicação de massa. Por metodologia optou-se pela pesquisa qualitativa, tendo por método o exploratório. Percebeu-se que o uso de ferramentas digitais permite uma maior interação e divulgação das atividades culturais no que tange Turista > Cultura, seja por meio da difusão de práticas educativas, patrimônio preservado e comunidade produtora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Maria de Jesus, Universidade Federal de Sergipe

Possui graduação em Museologia pela Universidade Federal da Bahia (2006) e Mestrado em Crítica Cultural pela Universidade do Estado da Bahia (2012).  Atualmente é professora Adjunta III do Departamento de Museologia, da Universidade Federal de Sergipe (2012 - atual), Coordenadora do Laboratório de Expografia - LabExpo (2013 - atual), Vice-Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Memória e Patrimônio Sergipano - GEMPS (2017 - atual).

Valéria Oliveira Barbosa, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Graduação em Museologia pela Universidade Federal de Sergipe.

Janaína Cardoso de Mello, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Bacharel e Licenciada em História (UERJ, 1997), Especialista em História Contemporânea (UFF, 2000), Mestre em Memória Social (UNIRIO, 2001), Doutora em História Social (UFRJ, 2009) com período de pesquisa sanduíche na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Portugal (FLUP, 2008). Pós-Doutoranda em Estudos Culturais (PAAC-UFRJ, 2014-2018). Professora Adjunta na Universidade Federal de Sergipe (UFS). Foi professora do PROARQ - Mestrado em Arqueologia da UFS (Linha: Arqueologia Histórica) de 12/2010 a 07/2014. É Coordenadora do Mestrado Profissional em Ensino de História (ProfHistória/UFS) desde 08/2019.

Referências

ASHTON, M. S. G. (org.) Cidades Criativas. Vocação e Desenvolvimento. Novo Hamburgo: Feevale, 2018.

CALABRE, L. (orgs.) Políticas culturais: informações, territórios e economia criativa. São Paulo: Itaú Cultural; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa. 2013.

MORAES, A. D. L.; GIMENEZ, F. A. P.; CAMARGO, E. C.; MOROZ, V.; KLOSOWSKI, F. (orgs.) Economia Criativa: conhecimento e empreendedorismo para uma sociedade sustentável. Curitiba: UFPR, 2013.

FLORIDA, R. The Rise of the Creative Class- Why cities without gays and rock bands are losing the economic development race. The Washington Monthey, 2012. Disponível em: https://www.os3.nl/_media/2011-2012/richard_florida_-_the_rise_of_the_creative_class.pdf. Acesso em: 13 mar. 2020.

GIESBRECHT, H. O.; MINAS, R. B. A.; GONÇALVES, M. F. W.; SCHWANKE, F. H. (orgs.) Indicações geográficas brasileiras. Brasília: SEBRAE/INPI, 2016.

LIMA, D. F. C. Museologia-Museu e Patrimônio, Patrimonialização e Musealização: ambiência de comunhão. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 7, n. 1, p. 31-50, jan./abr. 2012.

LOUREIRO, M. L. N. M.; LOUREIRO, J. M. M. Documento e musealização: entretecendo conceitos. MIDAS [Online], v. 1, 2013. Disponível em: http://journals.openedition.org/midas/78, Acesso em: 15 mar. 2020.

MINISTÉRIO DO TURISMO. Turismo Cultural: orientações básicas. Brasília: Ministério do Turismo, 2010.

REIS, A. C. F. Cidades Criativas: Análise de um conceito em formação e de pertinência de sua aplicação à cidade de São Paulo. 2011. Tese (Doutorado em Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – USP, São Paulo, 2011.

RIZZON, F.; BERTELLI, J.; MATTE, J.; GREAEBIN, R. E.; MACKE, J. Smart City: um conceito em construção. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, v. 7, n. 3, p.123-142, set./dez. 2017.

SOARES, B. C. B. A experiência museológica: Conceitos para uma fenomenologia do Museu. Revista Eletrônica do PPG-PMUS/Unirio/MAST, v. 5, n. 2, p. 55-71, 2012.

SU, K.; LI, J.; FU, H. Smart City and the Applications. 2011 International Conference on Electronics, Communications and Control (ICECC), p.1028-1031. Disponível em: http://doi:10.1109/icecc.2011.6066743, Acesso em: 15 mar. 2020.

Publicado

28-10-2021

Como Citar

JESUS, P. M. de; BARBOSA, V. O.; MELLO, J. C. de. Museus, turismo e o uso de ferramentas tecnológicas . Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Paulo, v. 8, 2021. DOI: 10.24208/rebecin.v8i.271. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/271. Acesso em: 12 jun. 2024.