Notas sobre o direito à memória no ambiente digital e sua relação com os arquivos

Autores

  • Jacqueline Ribeiro Cabral Departamento de Ciência da Informação do Instituto de Arte e Comunicação Social da Universidade Federal Fluminense (GCI/IACS/UFF) http://orcid.org/0000-0002-4118-2088
  • Igor Muniz Pereira Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST)

DOI:

https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.260

Palavras-chave:

Direito à memória, Arquivos, Preservação digital, Difusão, Acesso

Resumo

Aborda a relação entre o direito à memória e os documentos de arquivo. Recorre à psicologia para conceituar, em um primeiro momento, a memória como um fenômeno individual. Posteriormente, destaca-se a dimensão coletiva que assume ao ser discutida no campo da arquivologia. Apresenta situações nas quais os arquivos são utilizados com a finalidade de permitir o exercício do direito à memória, citando como exemplo o contexto da redemocratização após as ditaduras militares brasileira e argentina. Questiona as possibilidades de construção da memória no ambiente digital. Com o objetivo de investigar iniciativas que tratam dessa temática, conceitua o modelo OAIS, enfatizando as plataformas arquivísticas de descrição, difusão e acesso. É apresentado um estudo de caso de dois sites que se utilizam destas para construção da memória: Mercosur - Guía de Archivos Y Fondos Documentales; e Lesser Slave Lake IRC Treaty Aboriginal Rights. Por fim, reflete sobre a atuação de arquivistas e sua capacidade para lidar com os documentos diante da realidade digital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jacqueline Ribeiro Cabral, Departamento de Ciência da Informação do Instituto de Arte e Comunicação Social da Universidade Federal Fluminense (GCI/IACS/UFF)

Jacqueline Ribeiro Cabral atua como docente adjunta no Departamento de Ciência da Informação (UFF). Realizou estágio pós-doutoral em sociologia no IUPERJ/UCAMcomo bolsista da CAPES (2014-2015), e obteve os títulos de doutorado em história das ciências e da saúde pela Fiocruz (2012), mestrado em história pela UERJ (2003),especialização em história do Brasil pela UFF (2001), bacharelado e licenciatura em história também pela UFF (1999), e bacharelado em arquivologia pela UNIRIO (2015).Possui experiência profissional principalmente na área de história do Brasil, tendo trabalhado com arquivos pessoais na Casa de Rui Barbosa, na COC/Fiocruz, noCPDOC/FGV, no MAST e outras instituições. Seus interesses dentro do campo infodocumentário são: arquivos e direitos humanos, epistemologias feministas e decoloniais,estudos de gênero e sexualidade, história dos arquivos e da arquivologia, marcadores sociais da diferença e memória coletiva. Coordena o grupo de estudos, pesquisas eextensão Nómadas - Informação, Memória, Documento (UFF), e é pesquisadora do Flores Raras - Grupo de Estudos e Pesquisas Educação, Comunicação e Feminismos(UFJF), do Meso - Memória e Sociedade da Informação (IBICT) e do Degenera - Núcleo de Pesquisa e Desconstrução de Gêneros (UERJ), todos cadastrados no Diretório doCNPq. É integrante do BASis/INEP/MEC para avaliação dos cursos de graduação em arquivologia no País.

Igor Muniz Pereira, Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST)

Possui graduação em Arquivologia pela Universidade Federal Fluminense (2019).interessa-se pela temática Arquivos e direitos humanos. Tem experiência atuando na classificação e destinação dos documentos de arquivo das Instituições Federais de Ensino Superior ( IFES). Atualmente cursa o Mestrado Profissional em Preservação de Acervos de Ciência e Tecnologia no Museu de Astronomia e Ciências Afins ( MAST).

Referências

ARTEFACTUAL. Users. Disponível em: https://wiki.accesstomemory.org/Community/Users. Acesso em: 26 fev. 2021.

INSTITUTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM DIREITOS HUMANOS (Argentina). Guia de arquivos e fundos documentais. Disponível em: http://atom.ippdh.mercosur.int/index.php/. Acesso em: 28 fev. 2021.

LESSER SLAVE LAKE INDIAN REGIONAL COUNCIL (LSLIRC-TAR). Treaty Aboriginal Rights Ressearch Program. Disponível em: https://lslirc-tarrarchives.accesstomemory.org/. Acesso em: 28 fev. 2021.

LOPEZ, I. Memória social: uma metodologia que conta histórias de vida e o desenvolvimento local. São Paulo: Museu da Pessoa: Senac São Paulo, 2008. 98 p. Disponível em: https://moodle.ufsc.br/pluginfile.php/1074500/mod_resource/content/1/LEITURA%20CO PLEMENTAR%20-%20Livro%20-%20Mem%C3%B3ria%20Social.pdf. Acesso em: 19 mar. 2021.

MILLAR, L. Touchstones: Considering the Relationship Between Memory and Archives. Archivaria, Ottawa, n. 61, p. 105-126, Sept. 2006. Disponível em: https://archivaria.ca/index.php/archivaria/article/view/12537/13679. Acesso em: 24 fev. 2021.

PEREIRA, I. M. O uso do Atom para a construção da memória em arquivos de direitos humanos. 2019. TCC (Graduação em Arquivologia) – Curso de Arquivologia, Departamento de Ciência da Informação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019.

POLLI, C. T. S. Entre a memória e os direitos humanos: do direito à memória e os problemas informacionais da memória social. 2019. Dissertação (Mestrado em Ciência da informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2019.

Publicado

28-10-2021

Como Citar

CABRAL, J. R.; PEREIRA, I. M. Notas sobre o direito à memória no ambiente digital e sua relação com os arquivos. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 8, 2021. DOI: 10.24208/rebecin.v8i.260. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/260. Acesso em: 25 fev. 2024.