Tempo e Documento
PDF
HTML
XML

Palavras-chave

Preservação - Aspectos Históricos
Preservação Documental

Como Citar

de Széchy Cardoso Vieira, B., & Vieira de Freitas Araujo, A. (2021). Tempo e Documento: uma breve reflexão histórica da Preservação Documental. Revista Brasileira De Educação Em Ciência Da Informação, 8. https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.247

Resumo

Pensar historicamente acerca da Preservação Documental - a fim de que ela opere conceitualmente e tecnicamente os fenômenos que contornam as relações entre os bens culturais e o tempo - é uma perspectiva que deve constituir a atuação do bibliotecário que se dedica à preservação.  A partir da abordagem eminentemente teórica, este artigo tem como objetivo refletir historicamente sobre a Preservação Documental.  Como resultados, constatou-se que cada período da História preservou documentos de acordo com princípios e valores contemporâneos, que por sua vez refletem uma mentalidade coletiva, uma cultura. É possível também observar o desenvolvimento de práticas de cunho preservacionista que, com o tempo, culminaram na formação da disciplina científica da Preservação Documental. O bibliotecário que se dedica à preservação hoje faz parte desta trajetória, enfrentando novos desafios, principalmente referentes à preservação digital. Com efeito, a reflexão histórica sobre a Preservação Documental pode sustentar ações preservacionistas mais qualificadas, tanto do ponto de vista conceitual quanto técnico, além de posicionar o documento em seu quadro temporal, material, simbólico e cultural.

https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.247
PDF
HTML
XML

Referências

BARBIER, F. História do Livro. São Paulo: Paulistana, 2008.

CASTRO, A. A. N. A trajetória histórica da conservação-restauração de acervos em papel no Brasil. Juiz de Fora: Editora UFJF, FUNALFA, 2012.

CORADI, J. P.; EGGERT-STEINDEL, G. Técnicas básicas de conservação e preservação de acervos bibliográficos. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 13, n. 2, p. 347-363, jul./dez. 2008. Disponível em: DOI: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/viewFile/588/693

ECO, U. A memória vegetal e outros escritos sobre bibliofilia. Rio de Janeiro: Editora Record, 2010.

FRONER, Y.-A.; ROSADO, A. Princípios históricos e filosóficos da conservação preventiva. Belo Horizonte: LACICOR − EBA − UFMG, 2008.

FRUGONI, C. Invenções da Idade Média: óculos, livros, bancos, botões e outras invenções geniais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

GAGNEBIN, J. M. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Editora 34, 2009.

LE GOFF, J. Em busca da Idade Média. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.

LE GOFF, J. A Idade Média explicada aos meus filhos. Rio de Janeiro: Agir, 2007.

GREENBLATT, S. A virada: o nascimento do mundo moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

JEAN, G. A escrita: memória dos homens. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008.

KÜHL, B. M. Paul Philippot: o restauro arquitetônico no Brasil e o tempo. Conversationes. México DF, v. 1, n. 1, p. 53-64, 2015. DOI:https://conservacion.inah.gob.mx/publicaciones/wpcontent/uploads/2015/10/ConversaPhili_PaulPhilippotORestauro_Mugayar.pdf

MCMURTRIE, D. C. O livro: impressão e fabrico. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

ODDOS, J.-P. La Conservation: príncipes et réalités. Paris: Éditions du Cercle du Libraire, 1995.

PINHEIRO, L. V. R.; GRANATO, M. Para pensar a interdisciplinaridade na preservação: algumas questões preliminares. In: SILVA, R. R. G. org. Preservação documental: uma mensagem para o futuro. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 23-40. Disponível em: DOI: http://books.scielo.org/id/m5yr9/pdf/silva-9788523212216-04.pdf

POLASTRON, L. X. Livros em chamas: a história da destruição sem fim das bibliotecas. Rio de Janeiro: José Olympio, 2013.

SILVA, J. L. C.; FREIRE, G. H. A. As configurações do campo da ciência da informação no contexto das ciências pós-modernas. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciências da Informação, v. 6, n. 1, jan./jun. 2013.

SILVA, T. E. Bibliotecas: metáforas da memória. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon, Florianópolis, n. 21, 1º sem. 2006.

UNESCO. Memoria del mundo: Directrices. Paris, 2002. Disponível em: http://www.unesco.org/webworld/mdm/index.html Acesso em: 02 out. 2015.

VOVELLE, M. A revolução francesa explicada à minha neta. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

A ABECIN detém os direitos autorais dos trabalhos que publica, adotando as licenças do Creative Commons, exceto quando houver indicação específica de outros detentores de direitos autorais. Em caso de dúvidas, solicitamos consultar o Editor da REBECIN. Por meio dessa licença, o(s) autor(es) tem/têm a liberdade de compartilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra, sob as seguintes condições:

a) atribuição — você deve creditar a obra da forma especificada pelo(s) autor(es) ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

b) uso não-comercial — você não pode usar esta obra para fins comerciais.

c) vedada à criação de obras derivadas — você não pode alterar, transformar ou criar em cima desta obra.

Evidencia-se que:

a) renúncia — qualquer das condições acima pode ser renunciada se obtiver permissão do titular dos direitos autorais.

b) domínio público — onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.

c) outros direitos — os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:

- Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;

- Os direitos morais do(s) autor(es);

- Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.

O(s) autor(es) submeteu(ram) a declaração de responsabilidade e transferência de direito autoral à REBECIN. Para tanto, faça o download do modelo da declaração acessando a URL: https://portal.abecin.org.br/rebecin/

Obs.: Após ler e assinar envie o arquivo digitalizado junto com a submissão.