Tempo e Documento

uma breve reflexão histórica da Preservação Documental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.247

Palavras-chave:

Preservação - Aspectos Históricos, Preservação Documental

Resumo

Pensar historicamente acerca da Preservação Documental - a fim de que ela opere conceitualmente e tecnicamente os fenômenos que contornam as relações entre os bens culturais e o tempo - é uma perspectiva que deve constituir a atuação do bibliotecário que se dedica à preservação.  A partir da abordagem eminentemente teórica, este artigo tem como objetivo refletir historicamente sobre a Preservação Documental.  Como resultados, constatou-se que cada período da História preservou documentos de acordo com princípios e valores contemporâneos, que por sua vez refletem uma mentalidade coletiva, uma cultura. É possível também observar o desenvolvimento de práticas de cunho preservacionista que, com o tempo, culminaram na formação da disciplina científica da Preservação Documental. O bibliotecário que se dedica à preservação hoje faz parte desta trajetória, enfrentando novos desafios, principalmente referentes à preservação digital. Com efeito, a reflexão histórica sobre a Preservação Documental pode sustentar ações preservacionistas mais qualificadas, tanto do ponto de vista conceitual quanto técnico, além de posicionar o documento em seu quadro temporal, material, simbólico e cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andre Vieira de Freitas Araujo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor colaborador do PPGCI-ECA/USP

Faculdade de Administração e Ciências Contábeis

Referências

BARBIER, F. História do Livro. São Paulo: Paulistana, 2008.

CASTRO, A. A. N. A trajetória histórica da conservação-restauração de acervos em papel no Brasil. Juiz de Fora: Editora UFJF, FUNALFA, 2012.

CORADI, J. P.; EGGERT-STEINDEL, G. Técnicas básicas de conservação e preservação de acervos bibliográficos. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 13, n. 2, p. 347-363, jul./dez. 2008. Disponível em: DOI: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/viewFile/588/693

ECO, U. A memória vegetal e outros escritos sobre bibliofilia. Rio de Janeiro: Editora Record, 2010.

FRONER, Y.-A.; ROSADO, A. Princípios históricos e filosóficos da conservação preventiva. Belo Horizonte: LACICOR − EBA − UFMG, 2008.

FRUGONI, C. Invenções da Idade Média: óculos, livros, bancos, botões e outras invenções geniais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

GAGNEBIN, J. M. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Editora 34, 2009.

LE GOFF, J. Em busca da Idade Média. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.

LE GOFF, J. A Idade Média explicada aos meus filhos. Rio de Janeiro: Agir, 2007.

GREENBLATT, S. A virada: o nascimento do mundo moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

JEAN, G. A escrita: memória dos homens. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008.

KÜHL, B. M. Paul Philippot: o restauro arquitetônico no Brasil e o tempo. Conversationes. México DF, v. 1, n. 1, p. 53-64, 2015. DOI:https://conservacion.inah.gob.mx/publicaciones/wpcontent/uploads/2015/10/ConversaPhili_PaulPhilippotORestauro_Mugayar.pdf

MCMURTRIE, D. C. O livro: impressão e fabrico. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

ODDOS, J.-P. La Conservation: príncipes et réalités. Paris: Éditions du Cercle du Libraire, 1995.

PINHEIRO, L. V. R.; GRANATO, M. Para pensar a interdisciplinaridade na preservação: algumas questões preliminares. In: SILVA, R. R. G. org. Preservação documental: uma mensagem para o futuro. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 23-40. Disponível em: DOI: http://books.scielo.org/id/m5yr9/pdf/silva-9788523212216-04.pdf

POLASTRON, L. X. Livros em chamas: a história da destruição sem fim das bibliotecas. Rio de Janeiro: José Olympio, 2013.

SILVA, J. L. C.; FREIRE, G. H. A. As configurações do campo da ciência da informação no contexto das ciências pós-modernas. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciências da Informação, v. 6, n. 1, jan./jun. 2013.

SILVA, T. E. Bibliotecas: metáforas da memória. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon, Florianópolis, n. 21, 1º sem. 2006.

UNESCO. Memoria del mundo: Directrices. Paris, 2002. Disponível em: http://www.unesco.org/webworld/mdm/index.html Acesso em: 02 out. 2015.

VOVELLE, M. A revolução francesa explicada à minha neta. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

Publicado

28-10-2021

Como Citar

DE SZÉCHY CARDOSO VIEIRA, B.; VIEIRA DE FREITAS ARAUJO, A. Tempo e Documento: uma breve reflexão histórica da Preservação Documental. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Paulo, v. 8, 2021. DOI: 10.24208/rebecin.v8i.247. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/247. Acesso em: 12 jun. 2024.