Gestão de dados de pesquisa em bibliotecas universitárias brasileiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.244

Palavras-chave:

Gestão de dados de pesquisa, Ciência Aberta, Plano de gestão de dados, Biblioteca universitária

Resumo

No contexto atual da produção em massa de dados por pesquisadores, fala-se cada vez mais sobre a importância dos dados na ciência, principalmente no cenário do novo paradigma científico: o da Ciência Aberta. Para que os dados possam ser aproveitados em seu potencial máximo para o desenvolvimento científico, é preciso que haja uma adequada gestão deles. Nesse cenário fala-se sobre o papel das bibliotecas universitárias como pioneiras na oferta de serviços de gestão de dados de pesquisa, apoiando a comunidade científica em que está inserida. Por meio de uma pesquisa descritiva de abordagem quantitativa, este estudo teve como objetivo analisar o cenário atual das bibliotecas universitárias brasileiras quanto à oferta de serviços de gestão de dados de pesquisa. Os resultados foram ao encontro dos de Tenopir et al. (2017) em estudo similar na Europa, com a predominância de serviços de consultoria em detrimento dos serviços técnicos, que exigem maiores investimentos. Isso aponta para um cenário ainda inicial e em fase de planejamento quanto à gestão dos dados como serviços.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Passini Moreno, UNB

Possui graduação em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Universidade Federal de São Carlos (2003). Possui mestrado (2006) e doutorado (2011) em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília e é Professora Associada na mesma Universidade. Foi Coordenadora do Curso de Graduação em Biblioteconomia (08/2018 a 08/2020). Atualmente é Diretora Técnica de Graduação (DTG) no Decanato de Ensino de Graduação (DEG). É membro do Grupo dos Grupos de Pesquisa "Representação e Organização da Informação e do Conhecimento? (EROIC) e "Publicações Eletrônicas" cadastrados no Diretório do CNPq e certificado pela Instituição. Foi vice-coordenadora do GT2 Organização e Representação do Conhecimento da ANCIB (2013-2014). Atuou como professora assistente efetiva na Universidade Federal de Goiás (UFG), com carga horária de 20 hs. Atuou como Consultora do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, desenvolvendo material didático e ministrando cursos sobre o Sistema de Editoração Eletrônico de Revistas (SEER) e, posteriormente, como bolsista PCI no projeto "Monitoramento e prospecção de ferramentas que promovam o acesso livre da informação em ciência e tecnologia nacional". Ministrou mini-cursos na área de Representação Descritiva sobre os Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (FRBR). Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Representação Descritiva e Comunicação Científica.

Referências

BERTIN, P.; VISOLI, M.; DRUCKER, D. A gestão de dados de pesquisa no contexto da e-science: benefícios, desafios e oportunidades para organizações de p&d. PontodeAcesso, Salvador, v. 11, n .2, p. 34-48, ago. 2017. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/21449. Acesso em: 10 abr. 2021.

CURTY, R. G. A. As diferentes dimensões do reuso de dados científicos. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 9, n. 2, 2016. Disponível em: http://www.ufpb.br/evento/index.php/enancib2016/enancib2016/paper/view/4056. Acesso em: 10 abr. 2021.

DAVIS, H. M.; VICKERY, J. N. Datasets, a shift in the currency of scholarly communication: implications for library collections and acquisitions. Serials Review, v. 33, n. 1, p.26-32, 2007. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0098791306001675. Acesso em: 12 mar. 2021.

LEHMKUHL, K. M. et al. Suporte à pesquisa e gerenciamento de dados: proposta de concepção de serviço para biblioteca universitária da UFSC. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 19., 2016, Manaus. Anais [...]. Manuas: [s.n.], 2016. Disponível em: http://repositorio.febab.org.br/files/original/31/4506/SNBU2016_124.pdf. Acesso em: 25 dez. 2020.

LIKERT, R. A technique for the measurement of attitudes. Archives of Psychology, v. 22, n. 140, p. 1-55, 1932.

OECD, O. FOR E. C. AND D.-. OECD. Principles and Guidelines for Access to Research Data. [s.l: s.n.]. Disponível em: https://www.oecd.org/sti/inno/38500813.pdf. Acesso em: 12 abr. 2021.

OLIVEIRA, A. C. S.; SILVA, E. M. Ciência aberta: dimensões para um novo fazer científico. Informação&Informação, v. 21, n. 2, p. 5-39, 2016. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/27666. Acesso em: 15 abr. 2021.

PIWOWAR, H. A.; DAY, R. S.; FRIDSMA, D. B. Sharing detailed research data is associated with increased citation rate. PloS one, v. 2, n. 3, p. e308, 21 jan. 2007. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/17375194/. Acesso em: 10 abr. 2021.

SAYÃO, L. F.; SALES, L. F. Curadoria digital: um novo patamar para preservação de dados digitais de pesquisa. Informação & Sociedade: Estudos, v. 22, n. 3, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/92680. Acesso em: 11 abr. 2021.

SAYÃO, L. F.; SALES, L. F. Dados de pesquisa: contribuição para o estabelecimento de um modelo de curadoria digital para o país. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 6, n. 1, 2013. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/res/v/119469. Acesso em: 11 abr. 2021.

TENOPIR, C. et al. Research Data Services in European Academic Research Libraries. LIBER Quarterly. v. 27, n. 1, p. 23–44, 2017. Disponível em: https://www.liberquarterly.eu/articles/10.18352/lq.10180/. Acesso em: 05 abr. 2021.

WHYTE, A.; TEDDS, J. Making the case for research data management. Edinburgh: Digital Curation Centre, 2011. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/252931138_Making_the_Case_for_Research_Data_Management. Acesso em: 05 abr. 2021.

Publicado

28-10-2021

Como Citar

BONETTI, L.; MORENO, F. P. . Gestão de dados de pesquisa em bibliotecas universitárias brasileiras. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 8, 2021. DOI: 10.24208/rebecin.v8i.244. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/244. Acesso em: 25 fev. 2024.