Biblioterapia em tempos de COVID-19
Fonte da capa: Freepik  Design: André Nunes de Azevedo
PDF

Como Citar

COUTINHO REVOREDO RIBEIRO, N.; HERMES LÜCK, E. Biblioterapia em tempos de COVID-19: como a prática pode auxiliar na manutenção da saúde mental de pesquisadores, docentes e discentes. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 7, n. 1, p. 24–53, 2020. DOI: 10.24208/rebecin.v7iespecial.185. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/185. Acesso em: 28 jun. 2022.

Resumo

Esse artigo busca discutir a importância da biblioterapia como possibilidade a ser considerada por pesquisadores, professores e alunos em tempos de COVID-19 e sugere que essa temática seja inserida no currículo dos cursos de Biblioteconomia, uma vez que o bibliotecário, em parceria com outros profissionais, é capaz de atuar com competência nesta área. A pandemia impôs, aos brasileiros e ao mundo todo, o isolamento repentino de pessoas, causando angústia e medo constantes do contágio e da morte, sentimentos que produzem uma sensação de impotência e ansiedade. Mesmo assim, pesquisadores precisam continuar com suas pesquisas e docentes e discentes precisam continuar com as aulas de modo remoto sem ter se preparado para tal. Nesse contexto, a biblioterapia surge como uma alternativa para proporcionar um afastamento momentâneo e necessário da realidade e aliviar esses sentimentos opressivos que ela gera. Adotando a metodologia da pesquisa bibliográfica, o artigo centra sua estrutura na conceituação e breve histórico da biblioterapia; na discussão sobre as alternativas que a biblioterapia pode oferecer para aliviar frustrações e ter efeito positivo no rendimento de pesquisadores, professores e alunos em meio à pandemia; e na proposição de que a biblioterapia seja incorporada no currículo dos cursos de Biblioteconomia de variadas formas. Conclui-se que a biblioterapia é uma alternativa viável para ajudar a manter a saúde mental dos pesquisadores, docentes e discentes e pode auxiliar a manter a união mesmo com a distância física. Além disso, fica evidente a importância de incorporar a biblioterapia nas discussões dos cursos de graduação de Biblioteconomia nas universidades e promover a interação com outras áreas em projetos interdisciplinares de ensino, pesquisa e extensão, gerando produção de conhecimento e práticas enriquecedoras.

https://doi.org/10.24208/rebecin.v7iespecial.185
PDF

Referências

ALENCAR, Daniele Alves; ARRUDA, Maria Izabel Moreira. Fanfiction: uma escrita criativa na web. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 22, n. 2, p. 88-103, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pci/v22n2/1981-5344-pci-22-02-00088.pdf. Acesso em: 21 maio 2020

ALVES, Maria Helena Hees. A aplicação da biblioterapia no processo de reintegração social. Revista brasileira de biblioteconomia e documentação, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 54- 61, 1982. Disponível em: https://www.brapci.inf.br/_repositorio/2011/08/pdf_09e78c51e2_0018372.pdf. Acesso em: 28 maio 2020.

BOCK, Ana Mercês Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria de Lourdes Trassi. A Gestalt. In: BOCK, Ana Mercês Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria de Lourdes Trassi. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. [São Paulo]: Saraiva, 2001. p. 59-69.

BRASIL. Lei n° 13.979, de 06 de fevereiro de 2020. Dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 27, p. 1, 07 fev. 2020. Disponível em: http://www.in.gov.br/web/dou/-/lei-n-13.979-de-6-de-fevereiro-de-2020-242078735. Acesso em: 15 maio 2020.

CALDIN, Clarice Fortkamp. A leitura como função terapêutica: biblioterapia. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 6, n. 12, p. 32-44, 2001. Disponível em: https://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000006962/%20eec972adfaa4c3e905d5981757bfc108. Acesso em: 16 set. 2018.

CALDIN, Clarice Fortkamp. Leitura e terapia. 2009. Tese (Doutorado em Literatura) - Curso de Pós-Graduação em Literatura, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/92575. Acesso em: 19 abr. 2019.

CAVALCANTE, Lidia Eugenia. Mediação da leitura e formação do leitor. Fortaleza: Fundação Demócrito Rocha, 2019. (Curso formação de mediadores de leitura, 1).

FERREIRA, Danielle Thiago. Biblioterapia: uma prática para o desenvolvimento pessoal. ETD: Educação Temática Digital, Campinas, v. 4, n. 2, p. 35-47, 2003. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/620. Acesso em: 09 abr. 2019.

FONSECA, João José Saraiva da. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. [Apostila].

GARCIA, Leila Posenato; DUARTE, Elisete. Editorial: Intervenções não farmacológicas para o enfrentamento à epidemia da COVID-19 no Brasil. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, v. 29, n. 2, p. 1-4, 2020. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/ress/2020.v29n2/e2020222/pt. Acesso em: 15 maio 2020.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOUVEIA, Adriana Levino. Literatura infantil com fins catárticos e terapêuticos. In: SIMPÓSIO NACIONAL, 11., 2006, Uberlândia. Anais [...]. Uberlândia: Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2006. p. 40-49. Disponível em: http://www.filologia.org.br/ileel/artigos/artigo_206.pdf. Acesso em: 18 abr. 2019.

JERÔNIMO, Viviane et al. Biblioterapia na melhor idade bibliotherapy in the best age. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 17, n. 2, p. 460-471, 2012. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000012007/3239868cb958 256c8bebcae6b7425858. Acesso em: 24 Jul 2016.

LAPLANCHE, Jean; PONTALIS, J.B. Vocabulário de psicanálise. 4. ed. São Paulo: Martin Fontes, 2001.

LIMA, Cristhiane Martins. Biblioterapia: a cura através da leitura. Revista EDUCAmazônia: Educação, Sociedade e Meio Ambiente, Amazonas, ano 2, v. 2, p. 41-53, 2009. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4001010. Acesso em: 09 abr. 2019.

LUCAS, Eliane R. de Oliveira; CALDIN, Clarice Fortkamp; SILVA, Patrícia V. Pinheiro da. Biblioterapia para crianças em idade pré-escolar: estudo de caso. Perspect. ciênc. inf., Belo Horizonte, v.11 n.3, p. 398-415, 2006. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/276/69. Acesso em: 22 abr. 2019.

MATTEWS, David; LONSDALE, Ray. Children in hospital: II. Reading therapy and children in hospital. Health Libraries Review, [s. l.], v. 9, n. 1, p. 14-26, 1992. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10121812. Acesso em: 22 abr. 2019.

NUSSBAUM, Martha. Sem fins lucrativos: porque a democracia precisa das humanidades. São Paulo: M. Fontes, 2015.

OLIVEIRA, Ageísa Clara Ferreira de et al. O biblioterapeuta: a nova atuação do profissional bibliotecário. In: ENCONTRO REGIONAL DE ESTUDANTES DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO, CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO, 14., 2011, São Luís. Anais [...] São Luís: Universidade Federal do Maranhão, 2011. p. [1-12]. Disponível em: https://docplayer.com.br/71701816-O-biblioterapeuta-a-nova-atuacao-do-profissional-bibliotecario-1.html. Acesso em: 24 set. 2018.

ORNELL, Felipe et al. Pandemia de medo e Covid-19: impacto na saúde mental e possíveis estratégias. Revista Debates in Psychiatry, [Rio de Janeiro], v. 10, p. 2-7, 2020, ahead of print. Disponível em: https://d494f813-3c95-463a-898c-ea1519530871.filesusr.com/ugd/c37608_8b90d53e74b548239783585d78320f21.pdf. Acesso em: 19 maio 2020.

ORSINI, Maria Stella. O uso da literatura para fins terapêuticos: Biblioterapia. Comunicação e Artes, São Paulo, n.11, p.139-149, 1982.

OUAKNIN, Marc-Alain. Biblioterapia. São Paulo: Loyola, 1996.

PEREIRA, Marília Mesquita Guedes. Biblioterapia: proposta de um programa de leitura para portadores de deficiência visual em bibliotecas públicas. João Pessoa: Ed. Universitária, 1996.

POUILLON, Jean. A imaginação. In: POUILLON, Jean. O tempo no romance. Tradução: Heloysa de Lima Dantas. São Paulo: Cultrix: EdUSP, 1974. p. 34-38.

RATTON, Ângela Maria Lima. Biblioterapia. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 4, n. 2, p. 198-214, 1975. Disponível em: https://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000002656. Acesso em: 9 abr. 2019.

RIBEIRO, Natasha Coutinho Revoredo. A biblioterapia como auxiliar no desenvolvimento de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA). 2019. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Biblioteconomia e Documentação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019.

SEITZ, Eva Maria. Biblioterapia: uma experiência com pacientes internados em clínica médica. 2000. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, [Florianópolis], 2000. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/78289. Acesso em: 09 abr. 2019.

SEIXAS, Cristiana. Vivências em Biblioterapia: práticas do cuidado através da literatura. Niterói: C. Seixas, 2014.

SOUSA, Carla. Biblioterapia como recurso pra a formação humana do bibliotecário. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 23, n. 3, p. 362-371, 2018. Disponível em: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1510/pdf. Acesso em: 28 maio 2020.

VALENCIA, Maria Cristina Palhares; MAGALHAES, Michelle Cristina. Biblioterapia: síntese das modalidades terapêuticas utilizadas pelo profissional. BIBLOS - Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, [Rio Grande], v. 29, n. 1, p. 5-27, 2015. Disponível em: https://periodicos.furg.br/biblos/article/view/4585. Acesso em: 9 abr. 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Statement on the second meeting of the International Health Regulations (2005) Emergency Committee regarding the outbreak of novel coronavirus (2019-nCoV), 2020. Disponível em: https://www.who.int/news-room/detail/30-01-2020-statement-on-the-second-meeting-of-the-international-health-regulations-(2005)-emergency-committee-regarding-the-outbreak-of-novel-coronavirus-(2019-ncov). Acesso em: 15 maio 2020.

A ABECIN detém os direitos autorais dos trabalhos que publica, adotando as licenças do Creative Commons, exceto quando houver indicação específica de outros detentores de direitos autorais. Em caso de dúvidas, solicitamos consultar o Editor da REBECIN. Por meio dessa licença, o(s) autor(es) tem/têm a liberdade de compartilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra, sob as seguintes condições:

a) atribuição — você deve creditar a obra da forma especificada pelo(s) autor(es) ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

b) uso não-comercial — você não pode usar esta obra para fins comerciais.

c) vedada à criação de obras derivadas — você não pode alterar, transformar ou criar em cima desta obra.

Evidencia-se que:

a) renúncia — qualquer das condições acima pode ser renunciada se obtiver permissão do titular dos direitos autorais.

b) domínio público — onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.

c) outros direitos — os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:

- Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;

- Os direitos morais do(s) autor(es);

- Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.

O(s) autor(es) submeteu(ram) a declaração de responsabilidade e transferência de direito autoral à REBECIN. Para tanto, faça o download do modelo da declaração acessando a URL: https://portal.abecin.org.br/rebecin/

Obs.: Após ler e assinar envie o arquivo digitalizado junto com a submissão.