Rede de colaboração e educação aberta no ensino superior
PDF

Palavras-chave

Rede de Colaboração
Recursos Educacionais Abertos
Educação Aberta
MOOC.

Como Citar

FREITAS, M. do C. D.; WILLE DE AGUIAR, R. .; FORNARI , A. . Rede de colaboração e educação aberta no ensino superior. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 6, n. 1, p. 77–86, 2019. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/129. Acesso em: 27 set. 2022.

Resumo

Objetiva criar um modelo de rede de colaboração e educação aberta no ensino superior visando torná-lo sustentável. Entre as situações observadas que justificam o projeto estão a evasão dos estudantes em cursos de grade fechada que não ofertam disciplinas optativas; a oferta de disciplina optativa sem opção de escolha pelo estudante; e a oferta diversificada enquanto trilhas a serem escolhidas pelo estudante, motivada pela necessidade de aproveitar os recursos humanos, tecnológicos, físicos e estruturais disponíveis. Nesse ponto se formula a questão: Como tornar sustentáveis as Instituições de Ensino Superior por meio do compartilhamento dos recursos e práticas abertas no ensino superior? A pesquisa é aplicada, explicativa e experimental. A ideia é eleger um grupo específico e um tema e a partir deste reunir todo o conteúdo pesquisado sobre o tema, organizar os diferentes fragmentos educacionais como Recursos Educacionais Abertos para então estruturá-lo nos Massive Open Online Courses, validar entre especialistas o conhecimento e disseminá-lo. Uma vez feito isso, a expectativa é convidar outros pesquisadores de diferentes universidades que têm o interesse em transferir o conhecimento gerado pelo seu grupo a partir do modelo piloto. Entende-se que a educação aberta seja a forma mais rápida de transferir o que foi desenvolvido na academia. Espera-se que essa transformação permita repensar os currículos acadêmicos para a criação de disciplinas compartilhadas entre as universidades para os cursos de graduação, pós-graduação, educação continuada e comunidade de forma aberta e convalidado em cada curso independentemente da Universidade. Entenda-se esse compartilhar de recursos econômicos e estruturais, além da colaboração entre os professores como conceito de smart university.

PDF

Referências

ACCINO, J. A.; GIRALT, V.; CEBRIÁN, M. Federated e-learning platform. Terena EuroCAMP, Dubrovnik, Nov. 2007.

ACCINO, J. A.; CEBRIÁN, M. La plataforma es la red: Aprendizaje centrado en el usuario y arquitecturas centradas en la identidad. Revista Boletín de Rediris, n.84, nov 2008.

AL-ATABI, M.; DEBOER, J. Teaching entrepreneurship using Massive Open Online Course (MOOC). Technovation, v.34, n.4, p.261-264, 2014.

BAUDRIT, A. Apprentissage coopératif/apprentissage collaborative: D'un comparatisme conventionnel à un comparatisme critique. Les Sciences de l'Éducation: Pour l'Ère nouvelle, v.40, n.1,p.115-136, 2007. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2017.

BRASIL. Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 5 maio. 2000. Seção 1, p.1.

CAO, M.; ZHANG, Q. Supply chain collaboration: Impact on collaborative advantage and firm performance. Journal of Operations Management, v.29, n.3, p.163-180, 2011.

CEBRIAN, M.; ACCINO, J. A.; RAPOSO, M. Formative evaluation tools within European Space of Higher Education (ESHE): e-Portfolio and e-rubric. EUNIS Conference. Grenoble: 2007.

CERI. Los futuros universitarios: Cuatro escenarios para la Educación Superior. Paris: OECD, s.d. Disponível em: <https://goo.gl/9wpVJ1>. Acesso em: 8 abr. 2017.

CORMIER, D.; SIEMENS, G. Through the open door: open courses as research. Learning & Engagement. Educause Review, v.45, n.4, p.30-39, 2010.

DECLARAÇÃO DA CIDADE DO CABO. Declaração de Cidade do Cabo para Educação Aberta: Abrindo a promessa de Recursos Educativos Abertos. Cape Town, 2007. Disponível em: <http://www.capetowndeclaration.org/translations/portuguese-translation>. Acesso em: jul. 2017.

DILLENBOURG, P. et al. The evolution of research on collaborative learning. SPADA, E.; REIMAN, P. (Eds.). Learning in humans and machine: Towards an interdisciplinary learning science. Oxford: Elsevier, 1996. p.189-211.

EDMONDSON, A. C.; NEMBHARD, I. M. Product development and learning in project teams: The challenges are the benefits. Journal of Product Innovation Management, v.26, n.2, p.123-138, 2009.

ERUBRICA. Disponível em: <http://resib.uma.es/?page_id=319>. Acesso em: 23 mar. 2012.

FORNARI DALFOVO, A.; ARAÚJO, E. C.; OLIVEIRA, R. E. C. The distance education current scenario in Brazil: The challenges into the tutors perception. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON EDUCATION AND NEW LEARNING TECHNOLOGIES, 8., 2016. Barcelona: DISTANCE LEARNING, 2016.

HOFFMANN, V. E.; MOLINA-MORALES, F. X.; M.; MARTÍNEZ-FERNÁNDEZ T. Redes de empresas: proposta de uma tipologia para classificação aplicada na indústria de cerâmica de revestimento. Revista de Administração Contemporânea, Edição Especial, p.103-127, 2007.

HWANG, G. Definition, framework and research issues of smart learning environments: A context-aware ubiquitous learning perspective. Smart Learning Environments, v.1, n.1, p.1-14, Nov. 2014. Disponível em: <https://slejournal.springeropen.com/articles/10.1186/s40561-014-0004-5>. Acesso em: 22 out. 2017.

JAP, S. D. Perspectives on joint competitive advantages in buyer-supplier relationships. International Journal of Research in Marketing, v.18, n.1-2, p.19-35, 2001.

KEAST, R.; BROWN, K.; MANDELL, M. Getting the right mix: Unpacking integration meanings and strategies. International Public Management, v.10, n.1, p.9-33, 2007.

LEBRUN, M. Teorias e Métodos Pedagógicos para Ensinar e Aprender. Lisboa: Instituto Piaget, 2002.

LEGROS, D.; PEMBROKE, E. M.; TALBI, A. Les théories de l’apprentissage et les systèmes multimédias. In: LEGROS, D.; CRINON, J. Psychologie des apprentissages et multimédia. Paris: Armand Colin, 2002. p.23-39.

MALLMANN, E. M. et al. Implementação de Massive Open Online Courses (MOOC) no âmbito DE programas institucionais de capacitação em ambientes virtuais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR À DISTÂNCIA (ESUD), 11., 2014. Anais... Florianópolis, 2014.

NISSEN, H. A.; EVALD, M. R.; CLARKE, A. H. Knowledge sharing in heterogeneous teams through collaboration and cooperation: Exemplified through Public–Private-Innovation partnerships. Industrial Marketing Management, v.43, n.3, p.473-482, Apr. 2014.

QUICIOS, M. P. G; SEVILLANO, M. L. G. Indicadores del uso de competencias informáticas entre estudiantes universitarios. Implicaciones formativas y sociales. Revista Interuniversitaria, v.24, n.1, p.151-182, 2012. Disponível em: <https://goo.gl/fe32Wq>. Acesso em: 6 jun. 2018.

SANDEEN, C. Integrating MOOCs into traditional higher education: The emerging “MOOC 3.0” Era. The Magazine of Higher Learning, v.45, n.6, p.34-39, 2013.

STARK, C. M.; POPE, J. Massive Open Online Courses: How registered dietitians use MOOCs for nutrition education. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics, v.114, n.8, p.1147-1155, ago. 2014. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24842306>. Acesso em: 6 jul. 2018.

TIKHOMIROV, V. Development of strategy for smart University. In: OPEN EDUCATION GLOBAL CONFERENCE, 2015.

VANGEN, S.; HUXHAM, C. Enacting leadership for collaborative advantage: Dilemmas of ideology and pragmatism in the activities of partnership managers. British Journal of Management, v.14, Suppl. 1, p. S61-S76, 2003.

VASQUEZ-CANO, E.; MENESES, E. L.; SANCHEZ-SERRANO, J. L. La expansión del conocimiento en abierto: Los MOOC. Barcelona: Octaedro-ICE-UB, 2013. 119p.

ZHANG, B.; WANG, Z. Inter-firm collaborations on carbon emission reduction within industrial chains in China: Practices, drivers and effects on firms' performances. Energy Economics, v.42, p.115-131, 2014.

ZHU, Z.; YU, M.; RIEZEBOS, P. A research framework of smart education. Smart Learning Environments, v.3, n.1, p.1-17, Mar. 2016.

A ABECIN detém os direitos autorais dos trabalhos que publica, adotando as licenças do Creative Commons, exceto quando houver indicação específica de outros detentores de direitos autorais. Em caso de dúvidas, solicitamos consultar o Editor da REBECIN. Por meio dessa licença, o(s) autor(es) tem/têm a liberdade de compartilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra, sob as seguintes condições:

a) atribuição — você deve creditar a obra da forma especificada pelo(s) autor(es) ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

b) uso não-comercial — você não pode usar esta obra para fins comerciais.

c) vedada à criação de obras derivadas — você não pode alterar, transformar ou criar em cima desta obra.

Evidencia-se que:

a) renúncia — qualquer das condições acima pode ser renunciada se obtiver permissão do titular dos direitos autorais.

b) domínio público — onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.

c) outros direitos — os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:

- Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;

- Os direitos morais do(s) autor(es);

- Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.

O(s) autor(es) submeteu(ram) a declaração de responsabilidade e transferência de direito autoral à REBECIN. Para tanto, faça o download do modelo da declaração acessando a URL: https://portal.abecin.org.br/rebecin/

Obs.: Após ler e assinar envie o arquivo digitalizado junto com a submissão.