Apropriação da cultura escrita e sociedades plurais: entre o uso instrumental e a experiência essencial
PDF

Palavras-chave

Letramento
Competência
Apropriação
Mediação
Negociação.

Como Citar

OLIVEIRA, A. L. de. Apropriação da cultura escrita e sociedades plurais: entre o uso instrumental e a experiência essencial. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 4, n. 2, p. 23–43, 2018. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/68. Acesso em: 27 set. 2022.

Resumo

A leitura já foi definida como ato de decifração de um texto. Essa definição, entretanto, é bastante restrita e seria mais correto compreender leitura como já o faziam Barker e Escarpit (1975), quando esta aparece como “um ato completo de comunicação”. No Brasil, a partir dos Anos de 1950, Paulo Freire também já relacionava as noções de leitura e contexto – “palavra” e “mundo” – revelando como estas caminham invariavelmente juntas, imprimindo aspectos objetivos e subjetivos, sociais e individuais à apropriação dos signos de que os textos são os portadores. Os estudos desses autores, dentre outros, nos mostram que a leitura é prática individual e social indissociável e, enquanto tal, as categorias dos textos, dos leitores e dos contextos se conjugam, se articulam, se combinam, se contradizem, em um movimento rico e complexo que abordagens mais comuns e simplistas da leitura não conseguem vislumbrar. Ao pensarmos nos processos de apropriação da leitura e da escrita na chamada “Sociedade da Informação”, quais caminhos têm sido ou a serem trilhados? Abordaremos os conceitos de letramento “progressista liberal” e “radical “revolucionário” da pesquisadora Magda Soares (1998), procurando apresentar dimensões essenciais nos processos de mediação e apropriação da cultura escrita respeitando as singularidades dos sujeitos, seus usos e sentidos, nem sempre contemplados nos estudos que envolvem as adaptações informacionais na contemporaneidade.

PDF

Referências

BACKES, J. L. A diferença cultural como processo de negociação cultural. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL EDUCAÇÃO INTERCULTURAL, GÊNEROS E MOVIMENTOS SOCIAIS, 2., Florianópolis. Florianópolis: UFSC/Rizoma, 2003.

BARKER, R.; ESCARPIT, R. A fome de ler. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1975.

BARROS, M. Poesia completa. São Paulo: Leya, 2011.

BENVENISTE, É. Problèmes de linguistique générale. Paris: Gallimard, 1966.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

BUTLEN, M. Les politiques de lecture et leurs acteurs, 1980-2000. Lyon: Institut National de Recherche Pédagogique, 2008.

CAMARGO, G. F. O. Manoel de Barros e Oswald de Andrade: afinidades. In: ________. A poética do fragmentário: uma leitura da poesia de Manoel de Barros. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 1996. p.39-53.

CAUNE, J. Pour une éthique de la médiation: Le sens des pratiques culturelles. PUG: Presses Universitaires de Grenoble, 1999.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes do fazer. Rio de Janeiro: Vozes, 1994. v.1.

CHARTIER, R. Textes, imprimés, lectures: Pour une sociologie de la et lecteurs dans la France contemporaine, Cercle de la librairie. Paris: La Trasposición Didáctica; Buenos Aires: Aique, 1988.

CIRÍACO, R. Palestra conferida no Centre Universitaire Clignancourt – Paris – Sorbonne, por ocasião do Sallon Du livre de Paris, em 23 de março de 2013.

CUNHA, M. C. da. O futuro da questão indígena. Estudos Avançados, São Paulo, v.8, n.20, p.121-136, jan./abr.1994. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v8n20/v8n20a16.pdf>. Acesso em: 12 jan. 2014.

ESCOLARIZANDO O MUNDO: o último fardo do homem branco. Direção: Carol Black. 1 filme (60 min.) cor. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=6t_HN95-Urs>. Acesso em: 1 jul. 2017.

FERREIRA, A. B. de H. Minidicionário Aurélio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1977.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1982.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

HÉBRARD, J. La scolarisation des savoirs élémentaires à l'époque moderne. Histoire de l'Éducation, n.38, p.7-58, 1988. Disponível em: <http://www.persee.fr/doc/hedu_0221-6280_1988_num_38_1_1592>. Acesso em: 1 jul. 2017.

HOGGART, R. The uses of literacy: Aspects of working-class life with special reference to publications and entertainments. London: Chatto and Windus, 1957. 319p.

KLEIMAN, A. B. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1995.

LISPECTOR, C. A descoberta do mundo. 3.ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

OLIVEIRA, A. L. Cultura na fazenda: um estudo sobre a apropriação da leitura como negociação de sentidos. 2009. 163f. Dissertação (Mestrado em Cultura e Informação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2009. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/index.php?option=com_jumi&fileid=11&Itemid=76&lang=pt-br&filtro=Cultura%20na%20Fazenda>. Acesso em: 29 jun. 2017.

________. A negociação cultural: um novo paradigma para a mediação e a apropriação da cultura escrita. 2014. Tese (Doutorado em Cultura e Informação) - Escola de Comunicações e Artes (ECA), Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2014. Disponível em: <10.11606/T.27.2014.tde-16102014-104805>. Acesso em: 1 jul. 2017.

OLSON, D.; TORRANCE, N. Cultura escrita e oralidade. São Paulo: Ática, 1995.

PERROTTI, E. Confinamento cultural, infância e leitura. São Paulo: Summus, 1990. (Novas Buscas em Educação, v.38).

PETIT, M. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. São Paulo: Ed. 34, 2008.

RODRIGUES, A. R. As tecnologias da informação. In: ________. Comunicação e cultura: a experiência cultural na era da informação. Lisboa: Presença, 1994. p.187-227.

SCRIBNER, S. Literacy in three metaphors. American Journal of Education, v.93, n.1, p.6-21, Nov. 1984. Disponível em: <http://www.journals.uchicago.edu/doi/10.1086/443783>. Acesso em: 1 jul.2017.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

STREET, B. V. et al. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

A ABECIN detém os direitos autorais dos trabalhos que publica, adotando as licenças do Creative Commons, exceto quando houver indicação específica de outros detentores de direitos autorais. Em caso de dúvidas, solicitamos consultar o Editor da REBECIN. Por meio dessa licença, o(s) autor(es) tem/têm a liberdade de compartilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra, sob as seguintes condições:

a) atribuição — você deve creditar a obra da forma especificada pelo(s) autor(es) ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

b) uso não-comercial — você não pode usar esta obra para fins comerciais.

c) vedada à criação de obras derivadas — você não pode alterar, transformar ou criar em cima desta obra.

Evidencia-se que:

a) renúncia — qualquer das condições acima pode ser renunciada se obtiver permissão do titular dos direitos autorais.

b) domínio público — onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.

c) outros direitos — os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:

- Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;

- Os direitos morais do(s) autor(es);

- Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.

O(s) autor(es) submeteu(ram) a declaração de responsabilidade e transferência de direito autoral à REBECIN. Para tanto, faça o download do modelo da declaração acessando a URL: https://portal.abecin.org.br/rebecin/

Obs.: Após ler e assinar envie o arquivo digitalizado junto com a submissão.