Significado cultural e comportamento informacional

Autores

  • Ilemar Cristina Wey Berti Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) http://orcid.org/0000-0002-1222-6045
  • Linete Bartalo Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Palavras-chave:

Significado Cultural, Necessidade de Informação, Comportamento Informacional, Síndrome de Down.

Resumo

Apresenta-se os resultados de uma pesquisa que evidenciou a interveniência dos significados culturais no comportamento informacional. Com base nas teorias dos estudos de usuários da informação e do aspecto social da Ciência da Informação, foi analisado o comportamento informacional dos pais de crianças com Síndrome de Down, por meio de pesquisa documental e entrevista semiestruturada. A pesquisa comparou dois grupos de pais, um grupo com crianças nascidas nos Anos 2009 a 2013 e outro grupo com crianças nascidas nas Décadas de 1960 a 1980. Nesses contextos, considerou-se o momento do diagnóstico no reconhecimento da necessidade de informação, a busca e o uso da informação para auxiliar no desenvolvimento socioeducativo dos filhos. Os resultados encontrados indicam para a influência dos significados culturais atribuídos a anomalia, das interações sociais e da ação conjunta da família para promoção do desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida da pessoa com Síndrome de Down. Entende-se, portanto, que o acesso a informação para os pais é fator de conformação no desenvolvimento das crianças com Síndrome de Down, com vistas a promover suas potencialidades e sensibilizar a sociedade para o processo de inclusão social. No entanto, a informação perpassa as construções histórico-sociais reveladas nos significados culturais, determinantes das mudanças ocorridas nos diversos contextos informacionais relacionados ao tempo e ao espaço que ocorrem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ilemar Cristina Wey Berti, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Graduada em Pedagogia, atualmente é aluna regular do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, em nível de Doutorado, na Universidade Federal de Minas Gerais (2014 - 2018) - bolsista CAPES. Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Estadual de Londrina, Especialista em Psicopedagogia pela Universidade Filadélfia de Londrina e em Administração, Supervisão e Orientação Educacional pela Universidade Norte do Paraná. Tem experiência profissional em Didática na graduação, Coordenação pedagógica no Ensino Fundamental, Assessoria Pedagógica e Implantação de Material didático em diversas escolas do país. Tem interesse em estudos sobre Práticas Informacionais. Foi representante discente na Comissão Coordenadora do Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina (2012 - 2013).

http://lattes.cnpq.br/5248079505422092

Linete Bartalo, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Doutora em educação pela UNESP de Marília (2006) e mestre em educação pela UEL (1997). Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina (PPGCI/UEL). É pesquisadora na área de Gestão da Informação e do Conhecimento, com ênfase em comportamento informacional de usuários da informação. Líder do Grupo de Pesquisa Competência informacional : suas múltiplas relações e coordenadora da pesquisa A Competência presente no Comportamento Informacional em variados Ambientes.

Referências

AINLAY, Stephen C.; BECKER, G. Gaylene; COLMAN, Lerita M. Stigma reconsidered. In: ________ (Ed.). The dilemma of difference. New York: Plenum, 1986. p.1-16.

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Abordagem interacionista de estudos de usuários da informação. Ponto de Acesso, Salvador, v.4, n.2, p.2-32, maio/jun. 2010. Disponível em: <http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/3856/3403>. Acesso em: 12 ago. 2017.

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Paradigma Social nos estudos de usuários da informação: abordagem interacionista. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v.22, n.1, p.145-159, jan./abr., 2012. Disponível em: <http://www.ies.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/download/9896/7372>. Acesso em: 12 ago. 2017.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BARTALO, Linete; DI CHIARA, Ivone Guerreiro; CONTANI, Miguel Luiz. Competência informacional: suas múltiplas relações. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 24., Maceió, 2011. Anais Eletrônico... Maceió: FEBAB, 2011. Disponível em: <http://febab.org.br/congressos/index.php/cbbd/xxiv/paper/ viewFile/596/411>. Acesso em: 12 ago. 2017.

BURKE, Peter. Variedades de história cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000, p.11-37; 231-267.

________. O que é história cultural? 2.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

CAPURRO, Rafael. Epistemologia e Ciência da Informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., 2003, Belo Horizonte. Anais Eletrônico...Belo Horizonte: UFMG; ANCIB, 2003. Disponível em: <http://www.capurro.de/enancib_p.htm>. Acesso em: 12 ago. 2017.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. 6.ed. São Paulo: Cortez, 2003.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1994.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

HJØRLAND, Birger. Epistemology and the socio-cognitive perspectives in Information Science. JASIS, v.53, n.4, 257-270, 2002.

HJØRLAND, Birger. Empiricism, rationalism and positivism in library and Information Science. Journal of Documentation, v.61, n.1, p.130-155, 2004. Disponível em: <https://doi.org/10.1108/00220410510578050>. Acesso em: 12 ago. 2017.

LÓPEZ MELERO, Miguel. El proyecto Roma: una experiencia de educación en valores. Málaga: Ediciones Aljibe, 2003.

MARTELETO, Regina. Cultura informacional: construindo o objeto informação pelo emprego dos conceitos de imaginário, instituição e campo social. Ciência da Informação, Brasília, v.24, n.1, 1995. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/613/615>. Acesso em: 12 ago. 2017.

PENA, Gil. A deficiência intelectual em indivíduos com síndrome de Down é consequência de privação cultural, não uma determinação genética. Inclusive: Educação e Cidadania, 2009. Disponível em <http://www.inclusive.org.br/?p=8865> Acesso em: 12 ago. 2017.

SHANNON, Claude; WEAVER, Warren. Teoria Matemática da Comunicação. São Paulo: Difel, 1975.

TALJA, Sanna. Constituting “information” and “user” as research objects: A theory of knowledge formations as an alternative to the information man-theory. In: VAKKARI, Perti; SAVOLAINEN, Reijo; DERVIN, Brenda (Eds.). Information seeking in context. Londres: Taylor Graham, 1996, p.67-80.

WATZLAWICK, Paul. A realidade inventada. Campinas: PSY, 1994.

WILSON, Thomas Daniel. Human information behavior. Informing Science, v.3, n.2, p.49-54, 2000. Disponível em: <http://inform.nu/Articles/Vol3/v3n2p49-56.pdf>. Acesso em: 12 ago. 2017.

WILSON, Thomas Daniel. On user studies and information needs. Journal of Documentation, v.62, n.6, p.658-670, 2006. Disponível em: <https://doi.org/10.1108/00220410610714895>. Acesso em: 12 ago. 2017.

Downloads

Publicado

18-01-2018

Como Citar

BERTI, I. C. W.; BARTALO, L. Significado cultural e comportamento informacional. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 98–118, 2018. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/59. Acesso em: 12 jun. 2024.

Edição

Seção

Comunicações