O que é nuvem? Cartas à biblioteca que vem
PDF

Palavras-chave

Biblioteca
Linguagem
Símbolo
Transgramáticas
Interculturalidade.

Como Citar

SALDANHA, G. S. O que é nuvem? Cartas à biblioteca que vem. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 4, n. 1, p. 3–27, 2017. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/45. Acesso em: 18 ago. 2022.

Resumo

Para pensar e debater a biblioteca do futuro, tendo como horizonte a biblioteca especializada, mas tratando esta tipologia dentro de um contexto plural das bibliotecas no mundo social, o argumento geral da presente reflexão aponta para a “espera” de um amanhã (hoje) no qual as bibliotecas cumpram a “temida profecia” alexandrina da utopia da acumulação total a partir da confluência das culturas, retendo os símbolos orgânicos e inorgânicos das alianças e das diásporas. O foco, no entanto, agora, está na incansável cumulatividade simbólica direcionada à diversidade, à alteridade, ao símbolo do outro e ao complexo de suas miscigenações. Percebemos, no escopo do planejamento estratégico da seção de bibliotecas universitárias e de pesquisa da International Federation of Library Association and Institutions, uma ausência na ênfase de um plano sócio simbólico em suas políticas de inovação para o Século XXI.  Para o diálogo específico com o pensamento biblioteconômico-informacional, faz-se aqui a eleição de cinco abordagens, históricas e contemporâneas, oriundas de Gabriel Peignot, Paul Otlet, Rafael Capurro, Bernd Fromahnn e António García Gutiérrez. As duas fronteiras filosóficas que sustentam e intermediam a discussão com o pensamento biblioteconômico-informacional, permitindo nos levar aos territórios de aplicação, são, de um lado, a filosofia da linguagem e suas relações diretas com a materialidade do signo, de outro, as filosofias do simbolismo. Dialogamos, brevemente, neste sentido, com o pensamento de Bárbara Cassin, Ludwig Wittgenstein, Enrst Cassirer e Pierre Bourdieu. Como território aplicado, trabalhamos com aproximações aos estudos aplicados de instituições como Biblioteca Parque do Rio de Janeiro, American Library Association e International Federation of Library Association and Institutions. Em nossa visão, estas grandes instituições propiciam um olhar crítico-aplicado para o desenvolvimento de uma ideia de inovação, sustentada na transformação a partir do ponto de vista sócio simbólico, negligenciada pelas bibliotecas especializadas ao longo do de sua recente história. O objetivo final do percurso proposto é lançar as pautas para a projeção de uma biblioteca do futuro, demonstrado, a partir de intervenções contemporâneas, como as bibliotecas podem (e já exercem), seu papel de transformadoras do real a partir do que é abordado como transgramaticalização do espaço-tempo.

PDF

Referências

AUROUX, S. A Filosofia da linguagem. Campinas: Unicamp, 1998.

________. Filosofia da linguagem. São Paulo: Parábola, 2009a.

________. Revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Unicamp, 2009b

BARATIN, M. Da biblioteca à gramática: o paradigma da acumulação. In: BARATIN, M.; JACOB, C. O poder das bibliotecas: a memória dos livros no Ocidente. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008. p.227-233.

BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL. Disponível em: <http://www.bibliotecasparque .rj.gov.br/#home>. Acesso em: 10 jan. 2016.

BERGER, P. L.; LUCKMAN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 25.ed. São Paulo: Vozes, 2005.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BUCKLAND, M. K. Information as thing. Journal of the American Society of Information Science, v.42, n.5, p.351-360, jun. 1991.

CAPURRO, R. Digital ethics. In: GLOBAL FORUM ON CIVILIZATION AND PEACE, 2009. Proceedings… Seoul: Academy of Korean Studies, 2009. p.207-216.

CAPURRO, R. Hermeneutics and the Phenomenon of Information. In: MITCHAM, C. (Ed.). Metaphysics, epistemology and technology. Research in philosophy and technology. New York: Elsevier, 2000. v.19; p.79-85, Disponível em: <http://www.capurro.de/ny86.htm>. Acesso em: 18 jul. 2007.

CAPURRO, R. What is Information Science for? A philosophical reflection. In: VAKKARI, P.; CRONIN, B. (Ed.). Conceptions of Library and Information Science; historical, empirical and theoretical perspectives. In: INTERNATIONAL CONFERENCE FOR THE CELEBRATION OF 20TH ANNIVERSARY OF THE DEPARTMENT OF INFORMATION STUDIES, UNIVERSITY OF TAMPERE, FINLAND, 1991. Proceedings… London; Los Angeles: Taylor Graham,1992. p.82-96.

CASSIN, B. O Efeito sofístico. São Paulo: Ed. 34, 2005.

CASSIRER, E. A filosofia das formas simbólicas; Terceira parte: Fenomenologia do conhecimento. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

________. Ensaio sobre o homem: introdução a uma filosofia da cultura humana. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

________. A filosofia das formas simbólicas; Primeira parte: A linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

DAY, R. The modern invention of information: Discourse, history and power. Illinois: Southern Illinois University Press, 2001.

DAY, R. Poststructuralism and information studies. Annual Review of Information Science Social and Technology (ARIST), v.39, p.575-609, 2005.

FROHMANN, B. Documentation redux: prolegomenon to (another) philosophy of information. Library Trends, v.52, n.3, p.387-407, Win. 2004.

FROHMANN, B. Reference, representation, and the materiality of documents. In: COLÓQUIO CIENTÍFICO INTERNACIONAL DA REDE MUSSI, 2011. Anais… Toulouse: Université de Toulouse 3, 2011.

________. Cyber ethics: Bodies or bytes. International Information & Library Review, v.32, n.3-4, p.423-435, Sep. 2000. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1006/iilr.2000.0140>. Acesso em: 18 jul. 2007.

GARCIA GUTIÉRREZ, A. Desclassification in knowledge organization: A post-epistemological essay. Transinformação, Campinas (SP), v.14, n.1, p.5-14, jan./abr., 2011. Disponível em: <http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/475/455>. Acesso em: 25 jan. 2012.

GARCÍA MARQUEZ, G. Ninguém escreve ao coronel. 9.ed. Rio de Janeiro: Record, 1968.

IFLA. Academic and Research Libraries Section. Disponível em: <http://archive.ifla.org/VII/s2/annual/sp02-2009.htm>. Acesso em: 27 jan. 2016.

JACOB, C. Prefácio. In: BARATIN, M.; JACOB, C. O Poder das bibliotecas: a memória dos livros no Ocidente. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008. p.9-17.

KAFKA, F. O castelo. São Paulo: Tema: 1970.

MONK, R. Wittgenstein: o dever do gênio. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MORENO, A. R. Wittgenstein: os labirintos da linguagem; ensaio introdutório. São

Paulo: Moderna, 2000.

MOSTAFA, S. P. Epistemologia da Biblioteconomia. 1985. 147f. Tese (Doutorado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1985.

OTLET, P. L’organisation des travaux scientifiques. In: ASSOCIATION FRANÇAISE POUR L’AVANCEMENT DES SCIENCES. Conférences faites en 1919-1921. Paris: Association Française pour L’Avancement des Sciences, 1919. p.13-50. (Conferência proferida em 23 de fevereiro de 1919).

________. Traité de documenatation: le livre sur le livre: théorie et pratique. Bruxelas: Editiones Mundaneum, 1934.

PEIGNOT, G. Dictionnaire raisonné de bibliologie, tomo I. Paris: Chez Villier, 1802a.

________. Dictionnaire raisonné de bibliologie, tomo II. Paris: Chez Villier, 1802b.

SALDANHA, G. S. Uma filosofia da Ciência da Informação: linguagem, organização dos saberes e transgramáticas. Tese (Doutorado) - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), Faculdade de Administração e Ciências Contábeis (FACC), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2012.

SHERA, J. H. Toward a theory of Librarianship and Information Science. Ciência da Informação, Brasília, v.2, n.2, p.87-97, 1973. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/30/30>. Acesso em: 18 jul. 2007.

________. Epistemologia social, semântica geral e Biblioteconomia. Ciência da Informação, Brasília, v.6, n.1, p.9-12, 1977. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/92/92>. Acesso em: 18 jul. 2007.

SIQUEIRA, I. O sangue transvestigenere vaza da nuvem. Disponível em: <https://www.facebook/?fref=ts>. Acesso em: 10 fev. 2016.

WITTGENSTEIN, L. Tratado lógico filosófico: investigações filosóficas. 3.ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

A ABECIN detém os direitos autorais dos trabalhos que publica, adotando as licenças do Creative Commons, exceto quando houver indicação específica de outros detentores de direitos autorais. Em caso de dúvidas, solicitamos consultar o Editor da REBECIN. Por meio dessa licença, o(s) autor(es) tem/têm a liberdade de compartilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra, sob as seguintes condições:

a) atribuição — você deve creditar a obra da forma especificada pelo(s) autor(es) ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

b) uso não-comercial — você não pode usar esta obra para fins comerciais.

c) vedada à criação de obras derivadas — você não pode alterar, transformar ou criar em cima desta obra.

Evidencia-se que:

a) renúncia — qualquer das condições acima pode ser renunciada se obtiver permissão do titular dos direitos autorais.

b) domínio público — onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.

c) outros direitos — os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:

- Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;

- Os direitos morais do(s) autor(es);

- Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.

O(s) autor(es) submeteu(ram) a declaração de responsabilidade e transferência de direito autoral à REBECIN. Para tanto, faça o download do modelo da declaração acessando a URL: https://portal.abecin.org.br/rebecin/

Obs.: Após ler e assinar envie o arquivo digitalizado junto com a submissão.