Bloco Afro Ọdọmọde no Vinte de Novembro
PDF
HTML
XML

Palavras-chave

Carnaval; Consciência Negra; Patrimônio.

Como Citar

Souza Silva, N., & Pereira, E. . (2021). Bloco Afro Ọdọmọde no Vinte de Novembro: celebração e resistência negra nas ruas de Porto Alegre, RS. Revista Brasileira De Educação Em Ciência Da Informação, 8. https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.262

Resumo

A história do Instituto Sociocultural Afro-Sul Ọdọmọde destaca a cultura carnavalesca no Sul do Brasil. Após o fim das atividades da Escola de Samba Garotos da Orgia, o Grupo Afro-Sul perpetuou sua herança carnavalesca colocando o Bloco Afro Ọdọmọde nas ruas de Porto Alegre desde o ano 2000. No entanto, em 2016 o Bloco foi embargado pela administração municipal, dentre outras restrições que foram impostas sobre o carnaval da cidade. Esta pesquisa buscou investigar a trajetória do Bloco Afro Ọdọmọde e destacar a sua importância na ocupação das ruas no 20 de Novembro, dia de celebração da Consciência Negra, compreendendo-o como manifestação cultural integrante do patrimônio cultural negro de Porto Alegre. Este trabalho insere-se no campo da Sociomuseologia ampliando a noção de patrimônio cultural. A metodologia utilizada na pesquisa mesclou observação participante e entrevista semiestruturada visando a valorização das narrativas orais dos mestres de saberes, Iara Deodoro e Paulo Romeu.

https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.262
PDF
HTML
XML

Referências

ALBERTI, V. De “versão” a “narrativa” no Manual de história oral. História Oral, v. 15, n. 2, p. 159-166, jul. 2012.

BITTENCOURT JUNIOR, I. C. As representações do negro nos museus do Rio Grande do Sul são marcadas pela invisibilidade simbólica: Do “resgate” afro-brasileiro às pesquisas histórico-antropológicas e às visibilidades negras na museologia. In.: MATTOS, J. R. (Org.). Museus e africanidades. Porto Alegre: Edijuc, 2013. p. 13-54.

BRASIL. M. C. Decreto No 3.551, de 4 de agosto de 2000. Institui o registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial que constituem patrimônio cultural brasileiro, cria o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial e dá outras providências. In: Legislação Sobre Patrimônio Cultural. 2. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, 2013. p. 234-236.

CAMPOS, D. M. C. O Grupo Palmares (1971-1978): um movimento negro de subversão e resistência pela construção de um novo espaço social e simbólico. Porto Alegre: PUCRS, 2006. 196 f. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

ESCOBAR, G. V. Memória da Militância Negra durante a Ditadura Militar no Brasil e a Luta Antirracista através do Acervo Fotográfico de Oliveira Silveira (1971-1988). Pelotas: UFPEL, 2014. 141 f. Dissertação (Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2014.

GIOVANAZ, M. Pedras e emoções: os percursos do patrimônio. Em Questão: Revista da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS, Porto Alegre, v. 13, n. 2, 2007. Disponível em: http://www.brapci.ufpr.br/documento.php?dd0=0000004848&dd1=7a191. Acesso em: 1 jul. 2017.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2006. 222p.

MARTINS, C. C. C. MEMÓRIA E NEGRITUDE: O grupo AFRO-SUL/ODOMODE como referência da cultura da cultura imaterial de Porto Alegre. Porto Alegre: UFRGS, 2016. 52 f. Trabalho de Conclusão de Curso – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Porto Alegre, 2016.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História 10: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História, São Paulo, n. 10, dez. 1993, p. 7-28.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. 3a ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. 132p.

SANTOS, I. (org.). Negro em Preto e Branco: história fotográfica da população negra de Porto Alegre. Porto Alegre: Do Autor, 2005. 184p.

SANTOS, I. et al. Colonos e Quilombolas: Memória fotográfica das colônias africanas de Porto Alegre. Porto Alegre: s.n., 2010. 128p.

SILVEIRA, O. Vinte de Novembro: história e conteúdo. In: SILVA, P. B. G.; SILVÉRIO, V. R. Educação e ações afirmativas: entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2003. p. 21-42.

VIEIRA, D. M. Percursos negros em Porto Alegre: ressignificando espaços, reconstruindo geografias. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEÓGRAFOS, 8., 2014, Vitória. Anais [...] Vitória, 2014. Disponível em: http://www.cbg2014.agb.org.br/resources/anais/

/1404663795_ARQUIVO_DanieleMVieira.CBG2014.pdf Acesso em: 8 jul. 2017.

A ABECIN detém os direitos autorais dos trabalhos que publica, adotando as licenças do Creative Commons, exceto quando houver indicação específica de outros detentores de direitos autorais. Em caso de dúvidas, solicitamos consultar o Editor da REBECIN. Por meio dessa licença, o(s) autor(es) tem/têm a liberdade de compartilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra, sob as seguintes condições:

a) atribuição — você deve creditar a obra da forma especificada pelo(s) autor(es) ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

b) uso não-comercial — você não pode usar esta obra para fins comerciais.

c) vedada à criação de obras derivadas — você não pode alterar, transformar ou criar em cima desta obra.

Evidencia-se que:

a) renúncia — qualquer das condições acima pode ser renunciada se obtiver permissão do titular dos direitos autorais.

b) domínio público — onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.

c) outros direitos — os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:

- Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;

- Os direitos morais do(s) autor(es);

- Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.

O(s) autor(es) submeteu(ram) a declaração de responsabilidade e transferência de direito autoral à REBECIN. Para tanto, faça o download do modelo da declaração acessando a URL: https://portal.abecin.org.br/rebecin/

Obs.: Após ler e assinar envie o arquivo digitalizado junto com a submissão.