Repositórios digitais como ambiente de atuação do arquivista
PDF
HTML
XML

Palavras-chave

Repositórios Digitais. Princípios Arquivísticos. Preservação Digital. Arquivologia.

Como Citar

Fernal, A., & Vechiato, F. L. (2021). Repositórios digitais como ambiente de atuação do arquivista: princípios arquivísticos e preservação digital . Revista Brasileira De Educação Em Ciência Da Informação, 8. https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.259

Resumo

Os repositórios digitais surgiram com base na Iniciativa dos Arquivos Abertos – Open Archives Initiative e do Movimento de Acesso Livre - Open Access, tornando-se atores importantes na dinamização do processo de comunicação científica e sendo utilizados por instituições de ensino e pesquisa para a preservação da memória institucional por meio do auto-arquivamento de diversos tipos documentais. Dessa forma, entende-se que os repositórios digitais podem ser ambientes de atuação do arquivista e questiona-se, portanto, quais suas relações com os princípios arquivísticos e como esses ambientes contribuem para a preservação dos documentos arquivísticos digitais. Objetiva-se, a partir dessas premissas, evidenciar os repositórios digitais como ambientes de atuação do arquivista, relacioná-los aos princípios arquivísticos e com a preservação digital. Para isso, realizou-se um estudo qualitativo, exploratório e bibliográfico tomando-se por base a literatura científica nacional e internacional publicada em livros, artigos, teses, dissertações para atingir os objetivos da pesquisa. Os resultados alcançados permitiram demonstrar as relações existentes entre os ambientes dos repositórios digitais com os princípios arquivísticos e a preservação digital. Esta pesquisa propiciou contribuições acadêmicas e científicas importantes para a área da Arquivologia, bem como no que tange à atuação do arquivista, que precisa estar sempre à frente dos progressos tecnológicos inerentes à constituição dos arquivos, especialmente no que diz respeito aos arquivos digitais.

https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.259
PDF
HTML
XML

Referências

BELLOTTO, H. L. Arquivística: objeto, princípios e rumos. São Paulo: Associação dos Arquivistas de São Paulo, 2002.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Arquivo Nacional (AN). Conselho Nacional de Arquivos (CONARQ). Dicionário Brasileiro de terminologia arquivística (DBTA). 2005. Disponível em: https://www.gov.br/arquivonacional/pt-br. Acesso em: 21 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Arquivo Nacional (AN). Conselho Nacional de Arquivos (CONARQ). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Resolução nº 39, de 29 de abril de 2014. Disponível em: http: www.conarq.arquivonacional.gov.br/media/publicacoes/

resol_conarq_39_repositorios.pdf. Acesso em: 15 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Arquivo Nacional (AN). Conselho Nacional de Arquivos (CONARQ). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Resolução nº 43, de 04 de setembro de 2015. Disponível em: https:/www.gov.br/conarq/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/conarq

_diretrizes_rdc_arq_resolucao_43.pdf. Acesso em: 15 mar. 2021.

COELHO, C. Um repositório digital para a u.porto: relatório preliminar. Disponível

em: http://sigarra.up.pt/up_uk/web_gessi_docs.download_file?

p_name=F1368788598/repositorio-vpreliminar.pdf. Acesso em: 15 mar. 2021.

CROW, R. The case for institutional repositories: a sparc position paper. Scholarly Publishing & Academic Resources Coalition. Washington, DC. 2002. Disponível em: http://www.arl.org/sparc/bm~doc/ir_final_release_102.pdf. Acesso em: 08 mar. 2021.

FERNAL, A. Repositórios digitais como ambientes de atuação do arquivista: um estudo dos princípios arquivísticos e da preservação digital nesse contexto. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Arquivologia) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2012.

LYNCH, C. A. Institutional repositories: essential infrastructure for scholarship in the digital age. Association of Research Libraries, Washington, DC. n. 226, p. 1-7, fev. 2003. Disponível em: http://www.arl.org/resources/pubs/br/br226/br226ir.shtml.

Acesso em: 11 fev. 2021.

MÁRDERO ARELLANO, M. A. Critérios para a preservação digital da informação científica. 2008. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2008. Disponível em: http://repositorio.bce.unb.br/handle/10482/1518. Acesso em: 11 mar. 2021.

SHINTAKU, M.; MEIRELES, R. Manual do DSpace administração de repositórios. Salvador: EDUFBA, 2010. Disponível em:https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/769/1/Manual%20do%20Dspace%282%29.pdf. Acesso em: 27 mar. 2021.

WEITZEL, S. R. O papel dos repositórios institucionais e temáticos na estrutura da produção cientifica. Em Questão. Porto Alegre, v.12, n.1, p.51-71, jan/jun. 2006. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/19/7. Acesso

em: 12 mar. 2012.

A ABECIN detém os direitos autorais dos trabalhos que publica, adotando as licenças do Creative Commons, exceto quando houver indicação específica de outros detentores de direitos autorais. Em caso de dúvidas, solicitamos consultar o Editor da REBECIN. Por meio dessa licença, o(s) autor(es) tem/têm a liberdade de compartilhar — copiar, distribuir e transmitir a obra, sob as seguintes condições:

a) atribuição — você deve creditar a obra da forma especificada pelo(s) autor(es) ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

b) uso não-comercial — você não pode usar esta obra para fins comerciais.

c) vedada à criação de obras derivadas — você não pode alterar, transformar ou criar em cima desta obra.

Evidencia-se que:

a) renúncia — qualquer das condições acima pode ser renunciada se obtiver permissão do titular dos direitos autorais.

b) domínio público — onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.

c) outros direitos — os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:

- Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;

- Os direitos morais do(s) autor(es);

- Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.

O(s) autor(es) submeteu(ram) a declaração de responsabilidade e transferência de direito autoral à REBECIN. Para tanto, faça o download do modelo da declaração acessando a URL: https://portal.abecin.org.br/rebecin/

Obs.: Após ler e assinar envie o arquivo digitalizado junto com a submissão.