Descobrindo trajetórias

análises, aspectos e idealizadores do I Congresso Nacional de Museus de 1956 e Ouro Preto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24208/rebecin.v8i.256

Palavras-chave:

Museologia; Primeiro Congresso Nacional de Museus; ICOM Brasil; Ciência da Informação; Museus.

Resumo

A presente pesquisa, apresenta por meio de análise de fontes documentais primárias e secundárias, o Primeiro Congresso Nacional de Museus realizado em Ouro Preto no ano de 1956. A partir da observação da dificuldade em encontrar bibliografia que tratasse o tema, verificou-se a necessidade de iniciar a busca em periódicos presentes na Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Diante das fontes jornalísticas analisadas, identificou-se um núcleo de pessoas ativas nas decisões culturais dos anos 1950, mais especificamente que se envolviam com museus e que estas permaneceram quase as mesmas entre os anos 1930 e 1950. As agências que estiveram presentes no I Congresso, bem como seus agentes revelam trajetórias individuais e coletivas, em prol dos museus e seu desenvolvimento. Percebeu-se durante a realização da pesquisa que, os museus desempenharam um caráter internacional, pautado principalmente pelo intercâmbio de seus profissionais. Membros da Organização Nacional do ICOM juntamente com demais técnicos e profissionais que atuavam nos museus brasileiros e em agências do patrimônio se reuniram pela primeira vez em Ouro Preto, para a realização do evento em 1956, buscando a troca de conhecimentos, discutindo problemáticas e repensando soluções acerca da realidade dos museus brasileiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Abreu, Universidade de Brasília

ossui Graduação em História pela Universidade Federal Fluminense - licenciatura e bacharelado (1988), Mestrado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999) e Doutorado em História Cultural pela Universidade de Brasília (2008). Tem experiência na área de História com ênfase em História Social e História Cultural, atuando principalmente nos seguintes temas: imagens e história, Patrimônio Cultural, Patrimônio Imaterial, História Oral, Brasil Império e Brasil República, Durante 20 anos lecionou História nas séries do Ensino Fundamental e Médio, atuando, inclusive, na área do Ensino de Jovens e Adultos. Foi professora da Universidade Aberta do Brasil na UnB ministrando aulas sobre metodologia do ensino de História. Atuou, igualmente como técnica em História do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Departamento do Patrimônio Imaterial. Atualmente é Professora Associada do Curso de Museologia da Faculdade de Ciência da Informação da Universidade de Brasília, tendo sido credenciada em seu Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação para orientação de Mestrado e Doutorado. É líder do Grupo de Pesquisa Museologia, Patrimônio e Memória do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação.

Referências

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007.

FARIA, L. C. Nacionalismo e nacionalismos: dualidade e polimorfia. In: CHUVA, M. (Org.). A invenção do patrimônio. Brasília, DF: MinC/Iphan, 1995.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS. Museus em Números. Brasília, v. 1, 2011.

LOPES, M. M. Sobre Fragmentos do Conhecimento Museológico no Nordeste brasileiro: uma entre muitas outras possíveis introduções. In: BRITTO, C. C.; CUNHA, M. N. B.; CERÁVOLO, S. M. Estilhaços da Memória: o Nordeste e a reescrita das práticas museais no Brasil. Goiânia: Editora Espaço Acadêmico; Salvador: UFBA, 2020. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/39425. Acesso em: 22 fev. 2021.

MIGLIEVICH-RIBEIRO, A. Heloísa Alberto Torres e Marina de Vasconcellos: pioneiras na formação das ciências sociais no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: EDUFRJ, 2015.

Publicado

28-10-2021

Como Citar

GIANINI REYS, N.; DE ABREU GOMES, A. L. . Descobrindo trajetórias: análises, aspectos e idealizadores do I Congresso Nacional de Museus de 1956 e Ouro Preto. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Paulo, v. 8, 2021. DOI: 10.24208/rebecin.v8i.256. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/256. Acesso em: 18 jul. 2024.