Metodologias de aprendizagem ativa na formação do bibliotecário

inovações no ensino de Gestão da Informação

Autores

  • Dayanne da Silva Prudencio Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)
  • Luisi Maria Costa de Oliveira Mestranda no Programa de Pós- Graduação Stricto Sensu do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da FIOCRUZ
  • Elesbão de Oliveira Matos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.24208/rebecin.v6i2.180

Palavras-chave:

Ensino em biblioteconomia, Metodologias de aprendizagem ativa, Inovação pedagógica, Gestão da Informação.

Resumo

Descreve a experiência de aplicação de metodologias problematizadoras no ensino da disciplina Gestão Estratégica da Informação e do Conhecimento que integra o currículo do curso de bacharelado em Biblioteconomia. Objetiva demonstrar como as metodologias ativas de aprendizagem podem ser aplicadas no ensino de Biblioteconomia e quais são os benefícios para os discentes no processo de aprendizagem. Durante o processo, foram utilizadas estratégias como a gamificação, aprendizagem baseada em projetos, aprendizagem baseada em problemas e aprendizagem baseada em pesquisa. Caracteriza-se como pesquisa descritiva e de abordagem qualitativa no que tange à análise dos dados coletados.  A experiência contou com a participação de discentes-monitores que atuaram no planejamento e desenvolvimento de bibliografia sobre a temática abordada na disciplina, mediação das equipes durante aplicação das técnicas e no suporte aos alunos de modo presencial e remoto. O Google Classroom foi utilizado como ambiente virtual de aprendizado (AVA) para comunicação entre a docente, discentes e os discentes-monitores e neste foram incluídos os planos de aula, material instrucional, lista de exercícios e bibliografia complementar. As atividades avaliativas foram realizadas propondo resolução de problemas informacionais e produção de produtos informacionais e atividades de socialização de conhecimentos. A problematização tem se constituído como uma ferramenta de motivação, instrumentalização e capacitação dos futuros profissionais para a resolução de problemas reais. Além disso, proporciona aos alunos o desenvolvimento de habilidades de comunicação, relacionamento interpessoal, argumentação e correlação teórico-prática. O processo de monitoria permitiu ressignificar a gestão da informação e do conhecimento como práticas profissionais, identificar a eficácia dos métodos adotados e permitir um melhor aproveitamento da disciplina e alcance dos objetivos propostos no programa da disciplina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayanne da Silva Prudencio, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Doutora em Ciência da Informação no Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e Professora do Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Elesbão de Oliveira Matos, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Referências

ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P. Estratégias de ensinagem. In: ANASTASIOU L. G. C.; ALVES, L. P. (orgs). Processo de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Joinville: Univille, 2004. p. 67-100.

AUSUBEL, D. P. Educational psychology: a cognitive view. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1968.

BERBEL, N. A. N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface, Botucatu, v. 2, n. 2, p. 139-154, fev. 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32831998000100008&script=sci_arttext&tlng=pt.Acesso em: 25 fev. 2020.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/10326/0. Acesso em: 27 fev. 2020.

BORDENAVE, J.; PEREIRA, A. A estratégia de ensino-aprendizagem. 26. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

BRUNER, J. S. The process of education. Oxford: Harvard University Press,1960. Disponível em: http://edci770.pbworks.com/w/file/fetch/45494576/Bruner_Processes_of_Education.p%20df.

Acesso em: 20 set. 2019.

DIESEL, A.; BALDEZ, A. L. S.; MARTINS, S. N. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, Rio Grande do Sul, v. 14, n. 1, p. 268-288, fev. 2017. Disponível em: http://revistathema.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/404. Acesso em: 28 fev. 2020.

ENGESTRÖM, Y. Expansive learning at work: toward an activity theoretical reconceptualization. Journal of Education and Work, New York, v. 14, n. 1, p.133- 156, 2001. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/13639080020028747. Acesso em: 19 abr. 2019.

FADEL, L. M. et al. Gamificação na educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014.

GARDNER, H. Estruturas da mente: a Teoria das Múltiplas Inteligências. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

KRUG, R. R. et al. O “Bê-Á-Bá” da Aprendizagem Baseada em Equipe The “Bê-Á-Bá” of Team-Based Learning. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 40, n. 4, p. 602-620, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbem/v40n4/1981-5271-rbem-40-4-0602.pdf Acesso em: 20 dez. 2019.

LIMA, V. V. Espiral construtivista: uma metodologia ativa de ensino-aprendizagem. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v. 21, n. 61, p. 421-34, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832016005023103&script=sci_abstract&tlng=pt.Acesso em: 26 fev. 2020.

MORÁN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. [São Paulo]: Proex, 2015. (Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens, 2).

ROSA JÚNIOR, L. C. Metodologias ativas de aprendizagem para a Educação a Distância: uma análise didática para dinamizar sua aplicabilidade. 2015. 97 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia da Inteligência e Design Digital) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, São Paulo, 2015. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/18201 Acesso em: 20 dez. 2019.

SANTOS, D. S. Gartner prevê que investimentos em segurança e gestão de riscos permanecerão positivos em 2020. Jornal Dia a Dia, Três Lagoas, ano 2020, 20 jun. 2020. Disponível em: http://jornaldiadia.com.br/2020/2020/06/29/gartner-preve-que-investimentos-em-seguranca-e-gestao-de-riscos-permanecerao-positivos-em-2020/Acesso em: 20 jun. 2020.

SILVA, E. L.; CUNHA, M. V. A formação profissional no século XXI: desafios e dilemas. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n.3, p. 77-82, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ci/v31n3/a08v31n3.pdf. Acesso em: 16 de out. 2019.

SILVA, A. J. C.; CRUZ, S. R. M.; SAHB, W. F. Metodologias ativas no ensino superior: uma proposta de oficina sobre aprendizagem por pares; sala de aula invertida; aprendizagem baseada em problema e rotação por estações de trabalho. In: SIMPÓSIO TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO ENSINO SUPERIOR, 2018, Belo Horizonte. Anais [...] Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2018,

ZARIFIAN, P. O modelo da competência: trajetória histórica, desafios atuais e propostas. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2003.

Downloads

Publicado

12-08-2020

Como Citar

PRUDENCIO, D. da S.; OLIVEIRA, L. M. C. de; MATOS, E. de O. Metodologias de aprendizagem ativa na formação do bibliotecário : inovações no ensino de Gestão da Informação. Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação, São Cristovão, v. 6, n. 2, p. 82–96, 2020. DOI: 10.24208/rebecin.v6i2.180. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/rebecin/article/view/180. Acesso em: 27 fev. 2024.

Edição

Seção

Relatos de Experiência